Última hora

Última hora

Brexit ameça comércio de flores com a Holanda

Brexit ameça comércio de flores com a Holanda
Tamanho do texto Aa Aa

Este camião transporta flores dos Países Baixos para o Reino Unido, através do Canal da Mancha. Em menos de 24 horas, os fornecedores conseguem colocar flores frescas à venda nas floristas de Londres. São os exportadores holandeses que fornecem cerca de 80% das flores que se vendem nas lojas britânicas.

"Sem o mercado inglês, não temos niguém com quem negociar. O nosso único comércio é com o Reino Unido. Eu estou preocupado com um não acordo, porque afeta imensas coisa, incluindo a minha profissão. Se for um Brexit duro, eu vou perder o meu emprego", diz Daan Van Der Knaap, grossista de flores dos Países Baixos.

Se o Reino Unido abandonar a União Europeia sem um acordo, o comércio livre de hoje será afetado por controlos alfandegários. Atrasos podem fazer murchar as flores e provocar uma subida dos preços.

"Um Brexit sem acordo vai ser terrível. Muitas floristas vão ter de começar do zero. Os preços vão disparar para um nível que os consumidores não vão conseguir pagar", afirma Priscila Manni, florista, em Londres.

As empresas holandesas exportaram 800 milhões de euros em flores e plantas para o Reino Unido no ano passado, menos 150 milhões de euros do que em 2016, devido à desvalorização da libra.

"Há imensas floristas a fecharem. Muitas empresas a falirem. Dois dos nossos fornecedores deixaram de vir a Inglaterra, porque já não faziam negócio", conta Naji Dahan, dono de uma loja de flores.

Rosa Ashby, florista de Witney, onde a maioria votou a favor do Brexit, não está a dar orçamentos para trabalhos depois de 29 de março, porque não sabe o que vai acontecer. "Estou a recusar um trabalho para um casamento, porque estou a ser honesta. Podia dar-lhes um orçamento, mas se os preços subirem e estão a subir - eu vou perder dinheiro. E se perder dinheiro, o que é que faço?"

O Reino Unido é o terceiro mercado de exportação da indústria de flores dos Países Baixos, depois da Alemanha e da França, mas será que se vai manter no pódio depois do Brexit?