Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Maduro pronto para dialogar com a oposição

Maduro pronto para dialogar com a oposição
Tamanho do texto Aa Aa

Nicolás Maduro considera que chegou ao fim a tentativa para derrubar o seu governo, critica a União Europeia por “seguir cegamente” a decisão de Donald Trump de apoiar um golpe militar e mostra abertura para dialogar com a oposição.

“Fiz mais de quatrocentos pedidos à oposição para o diálogo. A oposição vai muito além da figura que eles colocaram como presumível presidente interino; muito além. Este senhor é circunstancial. Estou disposto e pronto para dialogar com a oposição, em conjunto ou em separado, em qualquer altura e lugar. Acredito verdadeiramente que o que pode ajudar a Venezuela este ano e nos próximos anos é um diálogo honesto, com uma agenda aberta, e acordos abrangentes pela prosperidade do país”.

(...)

"Se não entendesse a situação do meu país, não seria presidente eleito e reeleito. Entendo porque venho do povo. Deve saber que não fiz a minha educação em Harvard nem na Escola das Américas. Não tenho nome de família nem sangue azul. Sou um trabalhador, um homem do povo e todos os dias estou com o povo. Estou em contacto permanente e sei exatamente o que se está a passar.".

Maduro insiste que a Venezuela não precisa de ajuda externa, mas a oposição sublinha a falta de comida, de medicamentos e a inflação descontrolada

A crise provocou a maior onda de emigração dos últimos anos. As Nacões Unidas já deixaram o alerta: se as atuais taxas de emigração continuarem, 1 em cada 6 venezuelanos terá deixado o país até o final do ano.