A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Congressistas tentam travar "Emergência Nacional" de Trump

Congressistas tentam travar "Emergência Nacional" de Trump
Direitos de autor
REUTERS/Jose Luis Gonzalez
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou esta terça-feira uma resolução que procura travar a declaração de emergência nacional do Presidente norte-americano para financiar a construção do muro na fronteira com o México.

13 congressistas republicanos desobedeceram às ordens de Donald Trump e votaram ao lado da bancada do partido democrata. Uma vitória salientada pela porta-voz dos democratas, Nancy Pelosi.

"Não vamos dar a nenhum presidente democrata ou republicano um cheque em branco para destruir a Constituição dos Estados Unidos. Seríamos delinquentes nos nossos deveres como membros do Congresso se não derrubássemos o que o presidente propõe. Ele está a pedir a cada um de nós para virar as costas ao juramento que fizemos quando assumimos o cargo perante a Constituição dos Estados Unidos."

A resolução segue agora para o Senado onde será mais difícil ser aprovada, a menos que quatro senadores republicanos se juntem aos democratas.

Donald Trump já escreveu no Twitter que espera que os senadores não optem pelo caminho de uma segurança fronteiriça débil e ineficaz. Pede que sejam fortes e inteligentes e não caiam na armadilha democrata de fronteiras abertas e crime.

O presidente norte-americano decretou o estado de emergência nacional a 15 de fevereiro devido a uma suposta invasão de drogas e criminosos vindos do México depois do Congresso se ter negado a libertar o dinheiro para a construção do muro.

Com a declaração de emergência nacional, Trump tem poderes para desviar o dinheiro de outros departamentos e encaminhá-lo para uma das promessas que o levou à Casa Branca.