A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Britânicos pedem cidadania de países da UE

Britânicos pedem cidadania de países da UE
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Com o dia 29 de março a aproximar-se, a data prevista para o Brexit, há muitos britânicos a requer a nacionalidade dos vários países da União Europeia.

O músico Simon Wallfisch é um desses casos.

"Viajo muito pela União Europeia. Cerca de 50% do meu trabalho é no bloco. Não vejo qualquer forma de Brexit que torne isso mais fácil do que já temos. No momento podemos viajar para Berlim ou Paris tão facilmente como viajamos para Manchester ou Newcastle."

O londrino Simon Wallfisch é neto de uma judia alemã, sobrevivente de Auschwitz... O Brexit obrigou-o a adotar a cidadania germânica.

"Não tem nada que saber. Não significa que sou, de repente, um alemão... Também tenho cidadania australiana, por parte da minha mãe e não saio por aí dizendo" g'day mate ". Bem, às vezes digo. Por vezes, quando vou ao estrangeiro, digo que sou australiano apenas para evitar falar sobre o Brexit", refere o músico.

Desde o referendo, a embaixada alemã recebeu mais de 3000 pedidos de membros de famílias judias alemãs que vivem no Reino Unido.

Antes disso, eram apenas cerca de 20 por ano.

"Para muitos que votaram para sair da União Europeia, partir significa proteger a terra verde e agradável de Inglaterra - e abraçar o mundo inteiro ao invés de apenas a parte europeia...", relata o jornalista da euronews, Luke Hanrahan.

Anita Lasker-Wallfisch vive no Reino Unido há mais de 70 anos, mas nasceu na Alemanha.

Aos 16 anos foi enviada para o campo de Auschwitz e só sobreviveu porque sabia tocar violoncelo.

"Cheguei na altura em que o comandante do campo queria criar uma orquestra. Como havia orquestras em todos os campos - era uma questão de" eles têm uma banda, eu quero ter uma banda"”, recorda.

Depois da Guerra, Lasker-Wallfisch emigrou para a Grã-Bretanha e jurou "nunca mais colocar os pés na Alemanha".

Como se sente, então, com o facto de o neto se tornar cidadão alemão?

"Ele é um músico que viaja. Ele é um europeu. Não tem nada a ver com alemão. Não permito que os alemães pensem que queremos ser alemães novamente, esqueçam... Europeu, ele é um verdadeiro europeu", garante a matriarca.

Com dupla nacionalidade, Simon diz que tem sorte pois, aconteça o que acontecer, poderá continuar a cantar e a atuar na Europa e no Reino Unido tal como faz hoje.