A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Centro-direita vence eleições legislativas na Estónia

Centro-direita vence eleições legislativas na Estónia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Partido Reformista, liderado pela antiga eurodeputada Kaja Kallas, venceu as eleições legislativas deste domingo na Estónia. A formação de centro-direita e pró-europeia, na oposição, conseguiu cerca de 29% dos votos contrariando as sondagens e superando o Partido do Centro, do primeiro-ministro cessante Jüri Ratas, que se ficou pelos 23%.

A noite eleitoral foi ainda mais intensa porque a extrema-direita se tornou na grande revelação da jornada. Liderado por Mart Helme, pai de Martin Helme, na vice-presidência, o Partido Popular Conservador (EKRE), eurocético, foi o grande protagonista do escrutínio e quase triplicou o resultado das últimas eleições. O descontentamento nas zonas rurais beneficiou, em parte, o resultado de 17,8% dos votos, mas tudo indica que a formação não deverá fazer parte de uma coligação governamental. A líder do Partido Reformista, que deverá ocupar 34 dos 101 assentos no Parlamento (Riigikogu), descartou uma aliança com o partido de extrema-direita.

Kaja Kallas disse que há várias opções com vista a uma coligação em cima da mesa mas sublinhou, por outro, lado a existência de diferenças com o Partido do Centro, do primeiro-ministro cessante, em matéria de "fiscalidade, cidadania e educação."

Os conservadores do partido Pro Patria conseguiram superar o limite legal de 5% dos votos necessário para entrar no Parlamento. Perderam dois assentos, conquistando 11,5% dos votos contra os 10,1% obtidos pelos sociais-democratas, que perderam cinco lugares. As duas formações compunham a atual coligação juntamente com o Partido do Centro.

As consultas com vista à formação de um Governo estável arrancam esta segunda-feira, abrindo a porta à primeira liderança feminina no executivo do país.