Última hora

Última hora

"Mais mulheres nas instituições europeias"

"Mais mulheres nas instituições europeias"
Tamanho do texto Aa Aa

Um grupo de funcionárias da UE cobriu as fotos expostas de todos os ex-presidentes masculinos do Parlamento Europeu. Uma forma de mostrar descontentamento por uma União dominada por homens, num dia de greve feminina por uma representação igual e salário igual.

A funcionária do parlamento, Laura Krenske, refere: "No Parlamento Europeu, podemos ver que a política ainda é feita para e pelos homens, especialmente com a ascensão de homens de direita e fortes. É super importante que nos mantenhamos firmes. Eu sinto que há muitos homens em fatos em todos postos e em estátuas em todas as construções. Todos os edifícios são nomeados por homens e aqui na parede também há muita representação masculina e uma pequena representação feminina".

E não é apenas um sentimento, é a realidade que esta jovem mulher, Iverna Mc Gowan, quer mudar. Para isso, deixou a direção da Amnisitia Internacional em Bruxelas para tentar tornar-se deputada pela Irlanda. Mas não tão fácil como pensava. "É muito difícil para as mulheres, em particular, serem selecionadas para serem candidatas e eleitas, e isso é algo que descobri por mim própria. Os obstáculos que as mulheres enfrentam, seja a cultura, o acesso ao dinheiro e outras expectativas sociais são tão grandes que nunca são suficientemente boas para serem o melhor candidato ou o que trabalha mais arduamente. _I_sso é naïf. Nós precisamos de quotas, de apoio estrutural, para alcançarmos uma maior igualdade de género".

O Parlamento Europeu é actualmente presidido por um homem e Mairead Mc Guinness é vice-presidente. Esta mulher política irlandesa acredita que elas trazem muito à política: "Talvez as mulheres tragam diferentes perspectivas para o debate. Se as questões são mais sociais ou sobre a vida familiar ou sobre o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, a maioria são mulheres. Quanto mais complexas são as questões, mais os homens estão presentes e acho que precisamos de todas as vozes em todos os debates".

A empresária Madi Sharma concorda e trabalha para atingir esse objetivo: "Agora estamos atrás de países como o Paquistão, o Ruanda, o Afeganistão... Então, estamos em 2019. Temos que mostrar que se vamos ser líderes no mundo, na realidade, temos que ser sustentáveis ​​e temos que ser éticos e para tudo isso, o que precisamos é mais mulheres na política".

Mas como no Parlamento, aqui na Comissão Europeia a galeria de imagens mostra apenas presidentes masculinos na parede. A porta-voz finlandesa, Anna-Kaisa Iktonen, espera que isso mude em breve: "Se queremos ter uma boa representação da UE e se queremos assegurar que a percentagem de participação nas eleições europeias vai ser mais elevada do que antes, temos de mostrar que a União representa toda a Europa e não apenas uma fração do seu povo".

Este ano, estão todas à espera de ver se haverá mais mulheres eleitas e se os Estados- membros enviam mais comissárias para Bruxelas.