Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Acidente da Ethiopian Airlines mata pessoas de 35 países

Acidente da Ethiopian Airlines mata pessoas de 35 países
Direitos de autor
REUTERS/Tiksa Negeri
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um cidadão moçambicano está entre as vítimas mortais do despenhamento do Boeing 737 da Ethiopian Airlines, este domingo. O voo fazia a ligação entre as capitais da Etiópia, Adis Abeba, e do Quénia, Nairóbi.

A companhia de aviação confirmou, através do presidente, que todos os 157 ocupantes do Boeing 737 morreram. A queda deu-se seis minutos depois da descolagem, a 62 quilómetros de Adis Abeba, por motivos que estão ainda a ser investigados.

A bordo viajavam pessoas de mais de 30 nacionalidades, incluindo de vários países europeus. Não há portugueses entre as vítimas. Havia oito italianos, sete britânicos, sete franceses e cidadãos de vários outros países como Holanda, Espanha, Áustria, Suécia ou Polónia.

"Podemos agora confirmar que havia a bordo pessoas de pelo menos 35 nacionalidades. Digo pelo menos porque há ainda duas pessoas cuja nacionalidade é desconhecida. Entre os países mais afetados está, como devem imaginar, o Quénia, que tinha cerca de 32 passageiros no avião", disse, em conferência de imprensa, o ministro queniano dos transportes, James Macharia.

Esta é a segunda queda, em apenas quatro meses, de um avião do modelo 737-8 Max, da Boeing, um modelo novo em folha que só entrou em funcionamento no final de 2017.