Última hora
This content is not available in your region

Pena de Radovan Karadzic agravada para prisão perpétua

Pena de Radovan Karadzic agravada para prisão perpétua
Tamanho do texto Aa Aa

O antigo líder sérvio na Bósnia, Radovan Karadzic, recorreu e acabou por ser condenado a prisão perpétua. Karadzic tinha apresentado recurso em primeira instância, depois de ter sido decretada uma pena de 40 anos de prisão por genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra cometidos durante a guerra de Bósnia, entre 1992 e 1995.

Mas o veredito foi mesmo agravado e pronunciado ao início da tarde em Haia no tribunal que sucedeu ao Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia, extinto em 2017. Entre o painel de juízes que analisaram o recurso estava o português Ivo Rosa.

Karadzic, de 73 anos, era acusado de ser o responsável pelo cerco de Sarajevo e pelo massacre de Srebrenica, em 1995, considerado o mais grave cometido na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

No entanto, dizia-se vítima de um processo político. A acusação pedia desde o início prisão perpétua e também apresentou recurso em primeira instância, por considerar a pena de 40 anos demasiado branda.

O antigo presidente sérvio, Slobodan Milosevic, considerado o responsável maior por este conflito, morreu durante o processo judicial, em 2006.

O conflito na Bósnia fez mais de 100 mil mortos e cerca de 2 milhões de refugiados.

A leitura do acórdão foi transmitida com um atraso de 30 minutos, depois do que aconteceu no final de 2017, quando o general croata bósnio Slobodan Praljak, condenado também por crimes de guerra, se suicidou em direto no tribunal de Haia através da ingestão de cianeto.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.