Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Partido da junta militar à frente dos votos nas eleições da Tailândia

Partido da junta militar à frente dos votos nas eleições da Tailândia
Tamanho do texto Aa Aa

As primeiras eleições gerais da Tailândia em cinco anos terão dado a vitória ao partido da junta militar, cujos membros lideraram um golpe no país em 2014.

Os resultados oficiais definitivos só devem ser conhecidos esta segunda-feira. No entanto, com 92% dos votos contados, o Phalang Pracharat, do primeiro-ministro Prayut Chan-Ocha, regista cerca de 7 milhões e meio de votos.

Uma votação que supera a do partido pró-democracia Pheu Thai, do antigo primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, que agora apresentou Sudarat Keyurapan como candidata a chefe de governo. Os dados revelam um volte-face em relação às projeções anunciadas após o fecho das urnas, que indicavam um triunfo sem maioria do partido da oposição Pheu Thai. Todavia, o centro responsável pelo inquérito divulgou números de outro estudo de opinião e emitiu já um pedido de desculpas público.

O novo sistema eleitoral foi desenhado em favor dos militares e para evitar precisamente o regresso ao poder do partido Pheu Thai, do antigo primeiro-ministro Thaksin Shinawatra, que agora apresenta Sudarat Keyurapan como candidata a chefe de governo.

Sudarat afirmou à imprensa que "o que mais preocupa as pessoas agora é a possível fraude eleitoral que pode distorcer a vontade do eleitorado".

Em jogo estavam 500 lugares na Câmara dos Deputados: 350 escolhidos pelos círculos eleitorais e 150 por listas de partidos.

Esses deputados juntam-se então para uma votação conjunta com os 250 senadores, todos escolhidos pela junta militar que assumiu o poder no país.

*notícia atualizada às 16h00 (hora de Lisboa)