Última hora

Última hora

"É importante fazermos alguma coisa mais do que chorarmos"

Cartaz oficial da iniciativa promovida por Selma Uamusse com a RTP
Cartaz oficial da iniciativa promovida por Selma Uamusse com a RTP -
Direitos de autor
Facebook/ Mo Dada a Moçambique
Tamanho do texto Aa Aa

A artista moçambicana Selma Uamusse vive desde os seis anos em Portugal, mas mesmo a 10 mil quilómetros nunca cortou os laços com a terra onde nasceu há mais de três décadas.

Quando se deparou com as imagens da destruição provocada pela passagem do ciclone Idai pela Beira sentiu a necessidade de fazer alguma coisa. Teve a ideia de um concerto solidário. Os muitos amigos artistas acederam rapidamente ao apelo de Selma e a entrada da RTP, parceira da Euronews, para a organização deu ao espetáculo "De Mão Dada a Moçambique" uma expressão internacional.

O concerto conta já com um cartaz de mais de 50 artistas, vai decorrer a 02 de abril no Capitólio, em Lisboa, e terá transmissão direta pelos diversos canais da Estação Pública portuguesa.

Em entrevista ao Euronews Noite, na segunda-feira, Selma Uamusse explicou-nos como surgiu a ideia, como escolheu as organizações humanitárias a quem vai doar a receita deste iniciativa e enumerou a maior parte dos muitos artistas que já estão confirmados no cartaz.

Veja o resumo da entrevista em cima.

Estes são os artistas que gentilmente se juntam de Mão Dada a Moçambique... e a todos um enorme agradecimento. Ana...

Publiée par Mão dada a Moçambique sur Lundi 25 mars 2019

"A tragédia devastadora que desabou sobre Moçambique é um chamamento que desaba sobre Portugal. A ajuda ao nosso alcance não se depara com os 10 mil quilómetros de distância, mede-se antes pela urgência e disponibilidade com que nos acercamos de um irmão aflito.

"Há apertos que estreitam laços, e não leiam isto como uma alegoria fútil, mas como uma oportunidade. A devastação causada pelo ciclone Idai é inimaginável, então façamos também crescer a nossa ajuda para além do que se consegue imaginar. Há apertos que entrelaçam dedos; é hora de andar de Mão Dada a Moçambique", afirma Samuel Úria, no comunicado oficial de promoção do evento criado por Selma Uamusse.