Última hora

Última hora

Em terra de Shakespeare, o incómodo gerado pelo "Brexit"

Em terra de Shakespeare, o incómodo gerado pelo "Brexit"
Tamanho do texto Aa Aa

Como numa peça de teatro, repleta de emoções à flor da pele, na cidade natal de William Shakespeare, no Reino Unido, cresce o descontentamento relacionado com o processo do "Brexit."

Se os habitantes de Stratford-upon-Avon chocaram o mundo quando votaram a favor da saída do Reino Unido da União Europeia, agora, pelo menos, mostram-se, em parte, mais alinhados. Muitos consideram que as negociações foram uma humilhação.

"Se o 'Brexit' for bloqueado haverá uma revolta profunda subjacente e em vez de ser resolvido e passar à história será não uma ferida aberta mas antes uma ferida interna profunda que sangra lentamente", sublinha a vereadora do Partido Conservador Molly Giles.

Com um ADN puramente britânico, a cidade é o espelho da divisão que reina no país.

"Temos sido usados como um exemplo. O exemplo de que se nos tentamos apartar acabamos assim como país. Penso que Theresa May tem sido muito fraca e a combinação criou muitos problemas", lamenta Jeanette Field, uma habitante local pró-"Brexit."

Para alguns vale a pena continuar a fazer campanha pela permanência mesmo se os "remainers" fossem penalizados num segundo referendo.

É o caso e Jonathan Baker, um habitante local anti-"Brexit": "Se o Reino Unido acabar por abandonar a União Europeia, principalmente sem um acordo, existe uma vontade real, uma paixão real por continuar a fazer campanha pelo que pensamos ser a direção para o país."

Se na história de Romeu e Julieta a morte promoveu a reconciliação de duas famílias, a realidade atual é tudo menos romântica com uma busca desesperada por alternativas à situação em que o Reino Unido mergulhou.