Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Theresa May e Jeremy Corbyn tentam acordo para o Brexit

Theresa May e Jeremy Corbyn tentam acordo para o Brexit
Tamanho do texto Aa Aa

Há muitas semanas que Theresa May não entra no parlamento britânico em ambiente tão pacífico. A primeira-ministra teve, esta quarta-feira, uma sessão mais calma, onde as trocas de pontos de vista foram possíveis. May declarou que pretende acabar com o bloqueio, garantiu que o seu plano de Brexit não vai voltar e que tem um terreno de entendimento com o líder da oposição.

"Penso que, na verdade, há um certo número de áreas nas quais estamos de acordo em relação ao Brexit. Penso que ambos queremos alcançar a saída da União Europeia com um acordo, ambos queremos proteger os empregos, ambos queremos garantir o fim da liberdade de circulação, acho que ambos reconhecemos a importância de uma retirada com acordo. O que queremos agora é encontrar um caminho que possa levar-nos ao apoio desta câmara e alcançar o Brexit", disse.

A primeira-ministra ouviu diversas opiniões. Um colega de bancada pediu-lhe para descartar a hipótese da extensão do artigo 50. May referiu: "O que eu quero agora é ver que nós somos capazes de encontrar uma posição nesta câmara que sustente a retirada e o acordo, capaz de nos fazer sair a 22 de maio, capaz de evitar a realização de eleições parlamentares europeias, mas só podemos fazer isso se nos unirmos e encontrarmos um caminho que esta casa esteja disposta a apoiar".

Jeremy Corbyn, que sempre gostou de esgrimir argumentos, limitou-se a dizer: "Senhor presidente, congratulo-me com a oferta da primeira-ministra para conversações depois dos encontros que tive com os membros desta câmara, estou ansioso por a encontrar mais tarde e congratulo-me com a disponibilidade que mostra para resolver o impasse do Brexit".

Mas nem todos estão impressionados com este súbito espírito de cooperação entre os líderes partidários. O deputado conservador, Lee Rowley, lembrou declarações recentes de Corbyn: "Na semana passada, nesta câmara, a primeira-ministra disse que a maior ameaça à nossa posição no mundo, à nossa defesa e à nossa economia era o líder da oposição. Na opinião dela, o que é que o qualifica agora para o envolvimento no Brexit?

O que quer que saia destas coversações entre os líderes partidários, o parlamento vai ter de se pronunciar outra vez. Uma última oportunidade para chegar a um consenso, numa câmara que raramente esteve tão dividida.