Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

May e Corbyn tentam ultrapassar divisões

May e Corbyn tentam ultrapassar divisões
Tamanho do texto Aa Aa

A moção para obrigar Theresa May a pedir uma extensão do prazo do Brexit passou com apenas um voto de diferença, na Câmara dos Comuns. O texto vai ainda ter de ser aprovado na Câmara dos Lordes e é um dos últimos cartuchos gastos para evitar uma saída da União Europeia sem acordo.

Este voto chega depois da primeira-ministra britânica ter anunciado uma ronda de conversações com o líder da oposição, Jeremy Corbyn, para tentar encontrar uma forma de aprovar o acordo de saída. A primeira dessas reuniões foi inconclusiva.

"Destaquei o ponto de vista do Partido Trabalhista de que queremos uma união aduaneira com a União Europeia. Queremos acesso ao mercado. Discutimos, em particular, o alinhamento dinâmico das regulações que é garantido. Queremos regulações europeias, pelo menos, em coisas como o ambiente e os direitos do consumidor e dos trabalhadores", disse Corbyn.

Quanto à questão de um possível segundo referendo, acrescenta: "É política do nosso partido prever essa opção, para evitar uma saída sem acordo ou com um mau acordo".

Ambos os lados dizem que a discussão foi construtiva, mas continua a haver divisões em vários assuntos. Vários conservadores estão furiosos com May por querer procurar um consenso com os trabalhistas: "Na semana passada, nesta sala, a primeira-ministra disse que a maior ameaça à nossa posição no mundo, à nossa defesa e à nossa economia era o líder da oposição. O que é que, na opinião dela, o qualifica para participar no Brexit?", Perguntou Lee Rolly, da bancada tory.

"Quero dizer ao meu amigo que todos os deputados nesta sala estão envolvidos no Brexit", respondeu a primeira-ministra.

Se May e Corbyn não conseguirem encontrar um consenso nos próximos dias, a primeira-ministra pretende por várias opções à votação, incluindo o acordo feito com Bruxelas, que foi já rejeitado três vezes pelos deputados.