Última hora
This content is not available in your region

Execuções em queda no ano de 2018

euronews_icons_loading
Execuções em queda no ano de 2018
Tamanho do texto Aa Aa

Foram 690 as execuções registadas no mundo no ano de 2018, segundo os dados que a Amnistia Internacional conseguiu recolher.

Uma baixa significativa relativamente a 2017, mas que não tem em conta os dados da China onde esses numeros são segredo de Estado. As estimativas, no entanto, apontam para milhares de excuções em território chinês. A China, o Irão, a Arábia Saudita, o Vietnname e o Iraque, representam quatro quintos das execuções mundiais.

Apesar da queda a nível mundial, há países onde as execuções estão a aumentar, como os Estados Unidos da América, Japão, Singapura, Sudão do Sul e Bielorrússia.

Para o secretário-geral da Amnistia Internacional, Kumi Naidoo, "estes números provam que mesmo os países aparentemente mais renitentes começam a realizar que a pena de morte não é uma solução".

O reponsável da ONG manifesta a esperança de que seja apenas uma questão de tempo até que "esta punição cruel e arcaica seja relegada para o passado".

Em 2018, 106 países - mais de metade dos Estados do mundo - tinham abolido a pena de morte e 142 registavam o abolicionismo quer na lei, quer na prática.

Recorde-se que Portugal foi o primeiro Estado do mundo a inscrever a abolição da pena de morte na constituição e o quarto a aplicá-la.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.