Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Nigel Farage lança o Partido Brexit

Nigel Farage lança o Partido Brexit
Tamanho do texto Aa Aa

O Partido Brexit é a mais recente força partidária no sistema político britânico, depois de ter sido apresentado esta sexta-feira por Nigel Farage, um dos principais rostos do movimento favorável à saída do Reino Unido da União Europeia.

Numa fábrica de Coventry, o antigo líder do UKIP - Partido para a Independência do Reino Unido -, lançou duras críticas a Conservadores e Trabalhistas sobre o processo que paralisou o país.

O objetivo de Farage é agora ganhar as eleições europeias de maio e provocar uma "revolução democrática" na política britânica.

"Na verdade, estupidamente por um momento, acreditei que tínhamos vencido. Mas ficou claro desde cedo que com a suposta negociação que o nosso parlamento, o nosso governo e a nossa primeira-ministra favoráveis à permanência iriam fazer o máximo para atrasar, diluir e, em muitos casos, travar e reverter o Brexit", afirmou.

Um dos trunfos de Farage para as Europeias é Annunziata Rees Mogg.

Ex-militante do Partido Conservador, Annunziata é irmã de Jacob Rees-Mogg, o líder do ERG (European Research Group), a fação eurocética dos 'Tories' que mais lutou pelo Brexit dentro do partido liderado por Theresa May.

"Alistei-me no Partido Conservador em 1984. Esta não foi uma decisão que tomei de ânimo leve - deixar um partido pelo qual lutei em todas as eleições desde 1987, de Margaret Thatcher a Theresa May. E sei bem quem preferia ter agora a liderar-nos", declarou Annunziata Rees-Mogg.

Em 2014, o UKIP, então liderado por Nigel Farage, agitou o cenário político britânico e venceu as eleições europeias.

O Partido para a Independência do Reino Unido elegeu 24 eurodeputados, à frente dos Trabalhistas, com 20, e dos Conservadores, com 19.

Este triunfo contribuiu para selar no referendo de 2016 a vitória da saída sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia.

Quase três anos depois da consulta popular, realizada em 23 de junho de 2016, e após um segundo adiamento pedido a Bruxelas por Theresa May, uma vez esgotadas as datas de 29 de março e 12 de abril, o Brexit continua numa encruzilhada.

O prazo para a conclusão do processo de retirada britânica é agora 31 de outubro de 2019.