Última hora

Última hora

Rumo às Eleições Europeias: Alexandropouli

Rumo às Eleições Europeias: Alexandropouli
Tamanho do texto Aa Aa

A nossa Road Trip “Rumo às Eleições Europeias” parou em Alexandropouli, junto à fronteira com a Turquia. É aqui que os jornalistas da euronews fazem um balanço da viagem pela Grécia

BRYAN CARTER: Fay, estamos na cidade de Alexandropouli na última paragem da nossa viagem e eu sei que hoje vamos contigo a um lugar especial.

FAY DOULGKERI: Sim, hoje vamos a um dos mais conhecidos restaurantes de peixe. Como percebeste no caminho, hoje não há restaurantes de carne abertos. Porque é Sexta-Feira Santa, um dos dias mais importantes para os Cristãos Ortodoxos

BRYAN CARTER: Tenho a certeza que a comida será ótima como sempre na Grécia. (...) Fizemos uma viagem incrível, contámos histórias muito interessantes. Em Metsovo os pequenos empresários, em Larissa os agricultores, em Salónica, e depois aqui na região de Evros, que fica mesmo ao lado da Turquia. A principal questão é, obviamente, a migração. Para mim, contar essa história foi a parte mais dura. Fomos a um dos campos para migrantes e refugiados e é sempre muito difícil ver as condições de vida das pessoas que acabam de fugir de países em guerra e têm de viver com esse tipo de condições.

FAY DOULGKERI: Sabes o que mais me impressionou, para além da história com os migrantes? Foram as respostas que ouvimos em Salónica. Quando perguntámos qual é a questão mais básica antes das eleições. Esperava ouvir: “Acordo de Prespa” mas, em vez disso, todos falaram na crise económica, na situação financeira, no desemprego dos jovens. É isto que preocupa as pessoas.

Gostava de te perguntar: estiveste na Grécia muitas vezes ao longo dos anos, e voltas agora. O que achas que as pessoas sentem?

BRYAN CARTER: A crise continua aqui. Lembro-me que quando vim, em 2011 e 2012, começaram a impor as primeiras medidas de austeridade. Havia muita raiva, revolta, protestos violentos nas ruas de Atenas, quase que havia um sentimento de rebelião. E agora é quase como se eles aceitassem a crise. Depois de dez anos, a crise tornou-se apenas um facto da vida dos gregos.

FAY DOULGKERI: O governo ainda tem de manter as finanças equilibradas e continuam a impor medidas muito rigorosas. Penso que é por isso que as pessoas não sentem que estamos fora da crise.

BRYAN CARTER: A sensação é que as pessoas vão votar nestas eleições não por causa de questões europeias mas por causa de questões internas. É muitas vezes o que acontece nas eleições europeias ou nos referendos: não importa a pergunta, importa quem a faz.

FAY DOULGKERI: Penso que apenas uma pessoa grega que vive na Bélgica nos disse que vai votar de acordo com critérios europeus.

BRYAN CARTER: Agora, como sabes, vou para a Bulgária. Vamos ver o que as pessoas têm a dizer.

FAY DOULGKERI: Boa sorte para ti e boa sorte para o Apostolos Staikos, o meu colega de Atenas.