A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Ucrânia pede intervenção da ONU sobre os passaportes russos

Ucrânia pede intervenção da ONU sobre os passaportes russos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Ucrânia solicitou ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que tome medidas contra a decisão de Moscovo de conceder passaportes russos aos ucranianos que vivem nas regiões do leste do país, controladas pelos separatistas pró-Moscovo.

Para o embaixador ucraniano junto das Nações Unidas, a medida é simplesmente ilegal. Volodymyr Yelchenko afirmou: "Isto não é mais do que uma tentativa velada de reivindicar a ocupação em curso destes territórios, de os arrancar à Ucrânia e de desmembrar o meu país. Isto não é mais do que um pretexto artificial para continuar a enviar tropas russas para a Ucrânia e sustentar a agressão militar indisfarçada contra o meu país".

A resposta veio imediata do embaixador russo na ONU, Vassily Nebenzia: "Não estamos a interferir nos assuntos internos da Ucrânia, não estamos envolvidos numa anexação gradual. Estamos simplesmente a dar às pessoas a oportunidade de resolverem as questões que para elas são drasticamente importantes. E isso deve-se ao facto de as autoridades de Kiev se recusarem a fazê-lo."

A Uniã o Europeia condenou o movimento da Rússia na quinta-feira, designado-o como outro ataque de Moscou à soberania da Ucrânia.

François Delattre, o embaixador francês nas Nações Unidas, afirmou: "Esperamos que a Rússia proceda à reformulação de quaisquer ações que comprometam a implementação dos Acordos de Minsk e que impeçam o pleno restabelecimento do controlo do governo ucraniano sobre essas áreas, tal como previsto nos acordos. A Rússia deve, em particular, pôr termo ao seu apoio financeiro e militar aos separatistas".

Vladimir Putin provocou reações em cadeia ao anunciar esta medida de pressão sobre Kiev, três dias após a eleição de um novo presidente na Ucrânia.”