Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Gorbachov na câmara de Werner Herzog

Gorbachov na câmara de Werner Herzog
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

É reconhecido por muitos, e com alguma justiça, como o homem que mudou a Europa. Mikhail Gorbachov, último líder da União Soviética e arquiteto do fim da guerra fria, é retratado aos 88 anos pelo cineasta alemão Werner Herzog num novo documentário.

"Ele conseguiu a reunificação sem violência, sem derramamento de sangue. Noutros tempos, os tanques da União Soviética teriam invadido a Hungria, a Polónia, a Checoslováquia e a Alemanha de Leste. Incarnou uma nova maneira de lidar com os monumentais problemas históricos e políticos", diz Herzog.

Durante os seis anos em que esteve à frente da URSS e que conduziriam ao fim desta união, conseguiu feitos como a retirada do Afeganistão ou a redução em massa dos arsenais nucleares, juntamente com os Estados Unidos.

Para Herzog, "As pessoas na Rússia e no Ocidente começam a perceber a importância deste homem, a magnitude das coisas que conseguiu. Por exemplo, juntamente com Ronald Reagan, a maior redução nas armas da história da humanidade. Não deveria haver uma nova guerra fria. Acredito que a demonização da Rússia é um grande erro dos media e dos políticos ocidentais. Se consideram a Rússia um inimigo, falem com eles".

O filme estreia agora nos Estados Unidos e chega à Europa no outono. Werner Herzog assinou também uma longa-metragem de ficção inteiramente falada em japonês, "Family Romance, LLC" , que estreia agora em Cannes.