Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Puccini na Ópera da Bastilha com "Tosca"

Puccini na Ópera da Bastilha com "Tosca"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

É um emocionante peça no repertório da ópera: "Tosca" de Puccini sobe ao palco da Ópera da Bastilha, em Paris, até 23 de junho.

Marcelo Puente interpreta o pintor Cavaradossi, que ama a trágica heroína Tosca, cantada por Martina Serafin.

"Tosca" é uma peça carregada de emoção de Puccini. Em menos de três horas, quatro mortos. É uma das peças mais fascinantes da história da ópera.

"Puccini está à frente do seu tempo, porque lida de maneira maravilhosa com as emoções.", admite Martina Serafin, Tosca no palco. "Há momentos, por exemplo, quando a Scarpia diz: "Abram a porta"; fá-lo para poder ouvir o amor da sua vida a ser torturado e, aí, começa a orquestra. (...) Esse é o momento em que tudo parece um filme", conclui a cantora.

O ator que interpreta Cavaradossi fala da obra como um conjunto de emoções humanas. "Drama, paixão, traição, política, inveja, intriga, tortura, todas as emoções estão ali.", admite Marcelo Puente.

"Tosca" é das obras mais dramáticas de Puccini. Para Martina Serafin, Tosca é "uma mulher incrivelmente moderna.", a qual tem o amor da sua vida mas "não deixa de viver a própria vida".

No fim da performance, Tosca acaba por morrer. Para a cantora principal, esse momento foi um "presente" de Puccini. "Este final é como um presente para Tosca. (...) Quando o cantei quase chorei, porque é forte para mim. A cortina preta cai e, ali, é claro o que está a acontecer. Ela morre e passa para outra dimensão.", concluiu a cantora.