Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Estados Unidos eliminam taxas comerciais impostas a Canadá e México

Peña Nieto, Trump e Trudeau em novembro, ratificando o novo NAFTA
Peña Nieto, Trump e Trudeau em novembro, ratificando o novo NAFTA -
Direitos de autor
REUTERS/Kevin Lamarque/Arquivo
Tamanho do texto Aa Aa

Os Estados Unidos chegaram a acordo com o Canadá e o México para eliminar as taxas sobre as importações de aço e alumínio.

A decisão foi anunciada sexta-feira por Donald Trump e põe ponto final num impasse com cerca de um ano na disputa comercial entre os vizinhos da América do Norte, que em novembro tinham ratificado durante a cimeira do G-20, em Buenos Aires, um novo acordo comercial para o Atlântico Norte (NAFTA, na sigla inglesa).

O recuo de Donald Trump das taxas impostas em junho às importações de aço (25%) e alumínio (10%), que afetaram fortemente os dois países vizinhos, foi particularmente bem acolhida a norte.

Para o primeiro-ministro canadiano, as "taxas impostas por Washington sobre o aço e o alumínio e as contramedidas canadianas representavam um forte obstáculo à revisão do acordo comercial do Atlântico Norte."

"Agora, com o levantamento total destas taxas, vamos acertar com os Estados Unidos uma data para a ratificação (do novo acordo). Estamos otimistas de que vamos conseguir avançar devidamente nas próximas semanas", perspetivou Justin Trudea.

"América, primeiro!"

Empenhado numa batalha comercial protecionista, sob o lema "América primeiro", Trump tem procurado reforçar a economia americana, protegendo a produção interna das importações de materiais mais baratos. Sobretudo, das chinesas, mas não só.

A medida aplicada em junho do ano passado às importações oriundas da União Europeia, do Canadá e do México, provocou reações proporcionais dos visados.

As contramedidas tarifárias canadianas, por exemplo, afetaram sobretudo o setor agrícola norte-americano.

A Casa Branca foi pressionada a recuar inclusive por membros do Partido Republicano e agora Donald Trump enaltece o novo acordo NAFTA, que ele próprio tinha colocado em risco, como "fantástico" para os Estados Unidos.

"Espero que o Congresso aprove rapidamente o 'acordo Estados Unidos - México - Canadá' para depois os agricultores, os fabricantes e as siderurgias poderem tornar a nossa economia ainda melhor", afirmou o Presidente dos Estados Unidos, durante um discurso perante a Associação Nacional de corretores de imóveis, considerada a maior associação comercial dos Estados Unidos.

Guerra comercial transatlântica

O novo acordo comercial entre Estados Unidos, México e Canadá ainda tem de ser aprovado pelos três respetivos parlamentos.

Se o acordo for ratificado Washington, o que não é ainda certo devido às pressões democratas para que as preocupações ambientais sejam também tidas em conta no mesmo, Donald Trump poderá então focar-se nas negociações com a União Europeia e o Japão, dois potenciais fortes aliados no difícil braço-de-ferro comercial em curso com a China.

À margem da guerra de tarifas comerciais, que teve nova batalha na última semana com imposições de taxas de parte a parte, a Casa Branca tem também sobre a mesa a imposição de taxas sobre os veículos e as peças de automóveis importados, o que afeta em especial a União Europeia e pode originar um outro braço-de-ferro paralelo ao mantido com a China.

Donald Trump terá contudo acedido a ganhar algum tempo neste último, decidindo adiar por seis meses a eventual imposição de taxas no setor automóvel.