Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Líbia: Protestos em Tripoli contra investida militar de Haftar

Líbia: Protestos em Tripoli contra investida militar de Haftar
Tamanho do texto Aa Aa

Apesar dos apelos da UE a um cessar-fogo imediato, os combates continuam, na Líbia.

As forças leais ao governo de Fayez Sarraj, apoiado pelas Nações Unidas, continuam a resistir duramente à ofensiva militar lançada pelo marechal Khalifa Haftar para assumir o controlo da capital, Tripoli.

A correspondente da Euronews, Anelise Borges; está em Tripoli e relata a situação no terreno.

"Praticamente todas as sextas-feiras há mais de um mês, centenas de pessoas estão reunidas no centro de Tripoli, unidas num só grito - "devolvam-nos o nosso país". Estes residentes dizem que são os verdadeiros detentores do futuro da Líbia e exigem uma oportunidade para o provar. Estão aqui para protestar contra a campanha militar liderada pelo marechal Khalifa Haftar que, dizem, que transformará este país numa ditadura.

Um homem, afirma: "Estamos a protestar contra o acto de conquista de Trípoli pelo criminoso de guerra chamado Haftar."

Um idoso não se conforma: "Durante quatro anos ele (Khalifa Haftar) destruiu Benghazi, assassinou os nossos revolucionários e atirou-os para o lixo. Ele não vai conseguir fazer isso aqui".

Um grupo de mulheres, exibe um cartaz, dizendo, "acabou-se!" e uma afirma: "Não queremos a morte, não queremos a destruição, queremos que os líbios vivam em paz e prosperidade. Rezamos para que a Líbia se torne assim. Peço a Deus por isso".

Outro homem, rodeado de jovens diz: "Esta é a nova geração e o futuro do país. Eles não deveriam estar a crescer para pegar em armas. O tempo do exército na Líbia terminou. Precisamos de iniciar um Estado civil moderno".

Há mesmo quem não resista a enviar uma mensagem para os líderes mundiais:

"A minha mensagem para o mundo exterior? Não apostem no cavalo errado. Este tipo não presta".

Por enquanto a ofensiva de Haftar parou na periferia da cidade a uns 15 km daqui. Mas este recrudescimento da violência já custou muito aos líbios - mais de 400 pessoas foram mortas e quase 60.000 deslocadas desde 4 de Abril. Sem uma resolução política à vista, é provável que a Líbia mergulhe ainda mais na instabilidade num futuro próximo", conclui Anelise Borges.