Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Poderá Itália contribuir para abrandar a austeridade na UE?

Poderá Itália contribuir para abrandar a austeridade na UE?
Tamanho do texto Aa Aa

Poderá a disciplina de ferro na aplicação do chamado pacto orçamental (Tratado sobre Estabilidade, Coordenação e Governação) da União Europeia suavizar-se em breve?

O ressentimento com as medidas de austeridade é visto como um dos motivos para o aumento da extrema-direita nas eleições europeias, sobretudo em países do sul da zona euro, como França e Itália.

O vice-primeiro-ministro nacionalista italiano, Matteo Salvini, quer rever as regras do Tratado, o que é pouco provável, segundo um analista.

"Obviamente ninguém vai mudar o tratado. Até porque a Alemanha e os países da Liga Hanseática querem que se mantenha este rigor. O problema de Matteo Salvini é que ele é um exemplo muito mau do movimento anti-austeridade, porque o seu governo tem mostrado que, mesmo gastando mais dinheiro, a economia continuou a piorar", explicou, à euronews, o analista político Daniel Gros, do centro de estudos CEPS.

Os críticos da austeridade também se encontram noutras correntes ideológicas, como os socialistas e os verdes. Estes últimos aumentaram significativamente a sua representação no Parlamento Europeu, sendo a segunda força na Alemanha, um país tradicionalmente defensor de austeridade.

Mas a sua estratégia não passará pelos nacionalistas, acrescenta Daniel Gros: "Temo que a Itália esteja isolada e que vá permanecer isolada porque sua política não leva a lugar nenhum. Talvez aumente a frustração em Itália. Salvini vai levantar a voz, mas ninguém lhe vai dar ouvidos".

Dificilmente o governo de Roma contará com outros aliados nacionalistas nesta batalha, até porque alguns são de países de fora da zona euro como é o caso da Hungria e da Polónia.