Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Breves de Bruxelas": "lista de espera" no PE, Alemanha, Albânia e Hungria

"Breves de Bruxelas": "lista de espera" no PE, Alemanha, Albânia e Hungria
Direitos de autor
© European Union 2019 - Source : EP - Ph. Buissin
Tamanho do texto Aa Aa

O espanhol Adrian Vázquez Lazara está pronto para ocupar um lugar no Parlamento Europeu, mas poderá ter de esperar muitos meses. É que, afinal, o Reino Unido não saiu da União Europeia antes das eleições, o que não lhe caiu nada bem.

"Claro que é uma questão pessoal e que recebi mal a notícia, como poderá compreender. Mas no dia seguinte, a primeira coisa que fiz foi levantar-me e ir trabalhar", disse à euronews.

O assessor parlamentar está desejoso de assumir um cargo político no parlamento que bem conhece, mas terá de esperar, com outros 26 eleitos, que se concretize o Brexit, cuja data limite atual é 31 de outubro.

  • O Reino Unido tem direito a 73 assentos
  • 27 destes serão redistribuídos pós o Brexit e os restantes ficam para futuros Estados-membros
  • O Parlamento Europeu passará de 751 para 705 assentos
  • 14 Estados-membros receberão novos lugares
  • França e a Espanha recebem cinco cada um
  • Itália e Holanda ficam com mais três cada um
  • A Irlanda receberá dois assentos
  • Outros nove Estados-membros recebem um assento cada um (Polónia, Roménia, Suécia, Áustria, Dinamarca, Eslováquia, Finlândia, Croácia, Estónia)

Contra o Brexit acima de tudo

Como não tomam posse 2 de julho, estes eleitos só receberão salário quando começarem, efetivamente, a trabalhar.

Já os 73 eurodeputados britânicos terão plenos poderes e deverão, mesmo, votar a escolha do novo presidente da Comissão Europeia.

Um irlandês em lista de espera, Barry Andrews, mostra-se paciente: "É uma situação muito incomum, mas acho muito importante dizer duas coisas. Antes de mais, todos os candidatos nas eleições que decorreram a 24 de maio, na Irlanda, sabiam qual era a consequência de não estar imediatamente em lugar ilegível nas listas. A segunda coisa é que praticamente não se encontra ninguém na Irlanda que considere que o Brexit é uma boa ideia, com exceção de alguns nos extremos do espectro político".

Ironicamente, o partido britânico com mais eurodeputados eleitos defende o Brexit, enquanto a maioria dos que estão na lista de espera preferiam que o Reino Unido permanecesse na União.

Adrian Vázquez Lazaran nem se importaria de perder o lugar por causa disso: "Do ponto de vista pessoal é claro que quero ser eurodeputado, mas também penso no que é melhor para a União Europeia e para o Reino Unido. Isso é muito mais importante do que a minha situação pessoal e colocaria sempre o bem da União em primeiro lugar. Senão, não vale a pena estar na política".

O acordo de saída do Reino Unido ainda não tem data para ser formalizado no Parlamento nacional, há o espetro de eleições antecipadas e de um novo referendo, pelo que não há, verdadeiramente, uma data para estes eleitos saírem da lista de espera.

Este é o tema de abertura do programa "Breves de Bruxelas", que passa em revista a atualidade europeia diária. Em destaque estão, também, as seguintes notícias:

  • A Holanda pede à Comissão Europeia que suspenda a isenção de vistos de viagem para a Albânia, alegando que grupos de crime organizado estão a abusar do sistema para se movimentarem livremente na União. A isenção de vistos vigorar há mais de uma década e a revogação da medida necessita da aprovação dos Estados-membros.
  • A Alemanha mantém um sistema de financiamento de partidos políticos pouco transparente, disse a comissão anticorrupção do Conselho da Europa. Esta organização internacional de defesa do Estado de direito critica a Alemanha por ter implementado apenas metade das duas dezenas de recomendações da comissão.
  • O partido Fidesz, do primeiro-ministro nacionalista da Hungria, Viktor Orbán, pretende permanecer como membro do Partido Popular Europeu, de centro-direita. O comentário do chefe de gabinete de Orban ao jornal alemão Die Welt foi feito na véspera da reunião desta família política que suspendeu o Fidesz, por elagada violação de princípios de um partido pró-europeu.