Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Uma coisa é certa: A Fca não vai mais sentar-se à mesa com a Renault"

"Uma coisa é certa: A Fca não vai mais sentar-se à mesa com a Renault"
Tamanho do texto Aa Aa

A fiat Chrysler tinha feito uma proposta de junção à Renault. A fabricante francesa decidiu recuar e adiou a resposta à oferta da Fiat. A notícia foi comunicada pelo grupo italo-americano, o qual meteu a culpa no governo francês. A Renault veio garantir que o executivo nada tem a ver com decisão e que ainda "há tempo" e condições para discutir.

"Continuamos abertos a qualquer perspectiva de consolidação industrial, mas com a serenidade necessária, sem pressa, para garantir os interesses industriais da Renault e garantir o interesse da França.", admitiu Bruno Le Maire, ministro da Economia e Finanças da França.

Tempo e calma, mas não é isso que diz Paolo Griseri, jornalista italiano, especialista em Economia que acompanhou as negociações entra as marcas, em Paris. Paolo tem uma visão menos esperançosa.

"Uma coisa é certa: a Fca não vai mais sentar-se à mesa com a Renault. A Renault mostrou a necessidade de entrar no mercado americano; a Fca fez um esforço para tentar entrar no mercado asiático - mercado que a empresa não tem e um dos principais problemas do grupo...", admitiu o jornalista em entrevista à Euronews.

"Cada empresa mostrou os seus pontos fracos e, acima de tudo, estamos a ir para um mundo onde a venda de 4 a 5 milhões de carros - como a Renault e a Fca têm - não é suficiente para ter um futuro garantido.", concluiu o especialista.

A fusão fracassada entre a Fiat Chrysler e a Renault afetou os mercados acionários internacionais. Caso aconteça, esta união dá origem ao terceiro maior fabricante de automóveis do mundo.