A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Reino Unido: May à espera do senhor que se segue

Reino Unido: May à espera do senhor que se segue
Direitos de autor
REUTERS/Hannah McKay TPX IMAGES OF THE DAY
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Theresa May está a partir de hoje na gestão dos assuntos correntes, até à nomeação do seu sucessor. Está aberta oficialmente a corrida à liderança do Partido Conservador. Um momento delicado para os tories, que acabam de ganhar à justa uma eleição regional e têm o Brexit às costas

Enquanto isso, o líder trabalhista, Jeremy Corbyn, reclama eleições legislativas: "No dia em que Theresa May deixa de ser líder do Partido Conservador, a minha mensagem para todos os que disputam a liderança do partido é: Vamos a isso! Estamos prontos para uma eleição geral a qualquer momento."

A eleição em Peterborough foi também um revés para Nigel Farage, que surgia nas sondagens como potencial vencedor e que não conseguiu colocar nenhum deputado no parlamento.

Farage entregou uma carta em Downing Street oferecendo a ajuda do seu partido nas negociações do Brexit com a UE. Seja qual for o Conservador que substitua Theresa May, terá o Brexit nos braços.

"Hoje é o último dia da líder conservadora e não quero ser muito duro . Ela disse-nos 108 vezes que íamos partir a 29 de Março e não o fizemos. Agora há um monte de candidatos a dizer que vamos partir no dia 31 de outubro. Eu realmente, francamente, não acredito numa palavra do que eles dizem", afirmou.

Boris Johnson é o favorito entre vários concorrentes para substituir May. O partido vai decidir em votação interna nas próximas semanas.

Johnson viu as suas hipóteses reforçadas por uma decisão judicial que o acusa de ter mentido sobre os benefícios do Brexit durante a campanha para o referendo de 2016.