Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Crise política na Moldávia sem fim à vista

Crise política na Moldávia sem fim à vista
Direitos de autor
REUTERS/Valentyn Ogirenk
Tamanho do texto Aa Aa

O novo governo da Moldávia, chefiado por Maia Sandu, demitiu o Comissário-geral da polícia de Chisinau, por insubordinação, e pediu às forças da ordem que apliquem a lei e cumpram as decisões do Parlamento. Uma decisão tomada um dia depois de Alexander Pinzar ter declarado que não reconhecia as novas autoridades. A amnistia Internacional acusa a polícia de inação durante os últimos protestos que passaram por violência contra ativistas e jornalistas.

No país mantém-se a tensão mas a Primeira-ministra disse, à Euronews, estar determinada em mudar o rumo do país:

"É um processo difícil tentarmos livrar-nos desse regime antidemocrático, oligarca, ligado a muitos esquemas de corrupção. Nós limitámos a aprovar, no parlamento, a criação de uma comissão para investigar fraudes no setor bancário, os milhares de milhões de dólares de que toda a gente já ouviu falar. Estamos a tentar libertar o país e vamos fazê-lo porque este é um governo legítimo", afirma Maia Sanu.

A União Europeia apoia o novo governo e diz-se disponível para trabalhar com o novo governo mesmo que dentro da coligação as opiniões sobre o bloco forte europeu não sejam consensuais.

"O objetivo comum é livrar-se dos regimes oligárquicos. Discutimos isso, muito claramente, e temos uma orientação pró-europeia. O partido socialista tem uma orientação diferente. Mas concordamos que o nosso acordo de associação será a base para o trabalho do atual governo. Durante quanto tempo sobreviverá este governo de coligação? Veremos, mas vale a pena correr o risco, porque nós, o país, tivemos que livrar-nos do anterior regime", adiantou a chefe do executivo.

A Moldávia passa por uma grave crise política. O PDM quer continuar a governar mas, e após meses de discussões, o Partido Socialista e o bloco pró-europeu de direita Accum alcançaram um acordo governativo, acordo esse invalidado pelo tribunal constitucional. O Presidente em exercício dissolveu o parlamento um dia depois da constituição do novo executivo.

A Rússia já saudou o nascimento desta coligação, acrescentando esperar que relações entre os dois países melhorem. Também os EUA apoiam a coligação.