A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Governo de Hong Kong não cede a protestos

Governo de Hong Kong não cede a protestos
Direitos de autor
REUTERS/Thomas Peter
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os maiores protestos em cinco anos não desencorajam o governo de Hong Kong, que se diz empenhado em avançar com a reforma da lei de extradição.

O que começou como um protesto pacífico contra o polémico texto, degenerou em violência na madrugada desta segunda-feira, quando centenas de manifestantes tentaram investir o edifício do parlamento. A polícia respondeu com gás lacrimogéneo.

Apesar da contestação, a chefe do governo Carrie Lam afirmou hoje que o exame do projeto de lei no parlamento "será retomado a 12 de junho", na próxima quarta-feira.

Lam foi um dos principais alvos da manifestação deste domingo, que segundo os organizadores reuniu mais de um milhão de pessoas, no que será o maior protesto em Hong Kong desde o Movimento dos Guarda-Chuvas, em 2014.

A reforma, alvo da contestação, permitirá a extradição para qualquer país que não tenha atualmente um acordo formal com Hong Kong, incluindo a China continental.