Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Governo de Hong Kong não cede a protestos

Governo de Hong Kong não cede a protestos
Direitos de autor
REUTERS/Thomas Peter
Tamanho do texto Aa Aa

Os maiores protestos em cinco anos não desencorajam o governo de Hong Kong, que se diz empenhado em avançar com a reforma da lei de extradição.

O que começou como um protesto pacífico contra o polémico texto, degenerou em violência na madrugada desta segunda-feira, quando centenas de manifestantes tentaram investir o edifício do parlamento. A polícia respondeu com gás lacrimogéneo.

Apesar da contestação, a chefe do governo Carrie Lam afirmou hoje que o exame do projeto de lei no parlamento "será retomado a 12 de junho", na próxima quarta-feira.

Lam foi um dos principais alvos da manifestação deste domingo, que segundo os organizadores reuniu mais de um milhão de pessoas, no que será o maior protesto em Hong Kong desde o Movimento dos Guarda-Chuvas, em 2014.

A reforma, alvo da contestação, permitirá a extradição para qualquer país que não tenha atualmente um acordo formal com Hong Kong, incluindo a China continental.