Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Organização Internacional do Trabalho celebra centenário

Organização Internacional do Trabalho celebra centenário
Tamanho do texto Aa Aa

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), também conhecida como a assembleia mundial do trabalho celebra cem anos.

As comemorações oficiais acontecem durante a conferência anual que ocorre em Genebra.

Ao longo dos próximos dias, dezenas de líderes expõem perante a assembleia as apostas para o futuro do trabalho no mundo.

Nos próximos dias, mais de 50 dignitários de alto nível, incluindo cerca de 40 chefes de Estado, dirigir-se-ão à assembleia, olhando para o futuro do trabalho.

O diretor-geral, Guy Ryder, disse na cerimónia de abertura: "Vocês estão aqui porque partilham a visão e a confiança de Albert Thomas e a convicção de que está ao nosso alcance gerar as condições para um trabalho decente para todos, em que as empresas prosperem, as pessoas tenham sucesso e as sociedades progridam".

A OIT, uma agência das Nações Unidas, dá voz igual aos trabalhadores, empregadores e governos e assenta na premissa de que uma paz duradoura deve basear-se na justiça social. Uma premissa nascida no final da guerra. A organização foi criada em 1919 como parte do Tratado de Versailles que pôs fim à Primeira Guerra Mundial, para garantir a justiça social para as pessoas no trabalho. Tornou-se uma agência especializada das recém-formadas Nações Unidas após a Segunda Guerra Mundial e hoje é constituída por 187 países que continuam a crescer.

Ao longo dos anos, a OIT debruçou-se sobre todas as áreas do trabalho, à escala internacional, desde o horário, à protecção da maternidade, passando pela idade mínima e as desigualdades de género.

Mais tarde, estudou as necessidades das pessoas para fazer face às mudanças sem precedentes que a globalização trouxe às sociedades. As preocupações actuais da OIT centram-se no impacto da tecnologia no emprego, nos salários e nos direitos dos trabalhadores em todo o mundo, uma vez que a automatização torna cada vez mais obsoletos os papéis humanos tradicionais.

"O facto é que o futuro do trabalho não está predeterminado. Não será decidido por nós, nem por robôs, nem por inteligência artificial. O futuro do trabalho será o resultado das nossas decisões, das nossas escolhas, da nossa capacidade de segui-las",frisou Guy Ryder.

A OIT tem sido criticada por não ser uma organização mais interventiva e capaz de provocar mudanças no mundo laboral. Apesar disso, a conferência procura um papel mobilizador para uma maior cooperação internacional na proteção aos trabalhores.