A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Organização Internacional do Trabalho celebra centenário

Organização Internacional do Trabalho celebra centenário
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), também conhecida como a assembleia mundial do trabalho celebra cem anos.

As comemorações oficiais acontecem durante a conferência anual que ocorre em Genebra.

Ao longo dos próximos dias, dezenas de líderes expõem perante a assembleia as apostas para o futuro do trabalho no mundo.

Nos próximos dias, mais de 50 dignitários de alto nível, incluindo cerca de 40 chefes de Estado, dirigir-se-ão à assembleia, olhando para o futuro do trabalho.

O diretor-geral, Guy Ryder, disse na cerimónia de abertura: "Vocês estão aqui porque partilham a visão e a confiança de Albert Thomas e a convicção de que está ao nosso alcance gerar as condições para um trabalho decente para todos, em que as empresas prosperem, as pessoas tenham sucesso e as sociedades progridam".

A OIT, uma agência das Nações Unidas, dá voz igual aos trabalhadores, empregadores e governos e assenta na premissa de que uma paz duradoura deve basear-se na justiça social. Uma premissa nascida no final da guerra. A organização foi criada em 1919 como parte do Tratado de Versailles que pôs fim à Primeira Guerra Mundial, para garantir a justiça social para as pessoas no trabalho. Tornou-se uma agência especializada das recém-formadas Nações Unidas após a Segunda Guerra Mundial e hoje é constituída por 187 países que continuam a crescer.

Ao longo dos anos, a OIT debruçou-se sobre todas as áreas do trabalho, à escala internacional, desde o horário, à protecção da maternidade, passando pela idade mínima e as desigualdades de género.

Mais tarde, estudou as necessidades das pessoas para fazer face às mudanças sem precedentes que a globalização trouxe às sociedades. As preocupações actuais da OIT centram-se no impacto da tecnologia no emprego, nos salários e nos direitos dos trabalhadores em todo o mundo, uma vez que a automatização torna cada vez mais obsoletos os papéis humanos tradicionais.

"O facto é que o futuro do trabalho não está predeterminado. Não será decidido por nós, nem por robôs, nem por inteligência artificial. O futuro do trabalho será o resultado das nossas decisões, das nossas escolhas, da nossa capacidade de segui-las",frisou Guy Ryder.

A OIT tem sido criticada por não ser uma organização mais interventiva e capaz de provocar mudanças no mundo laboral. Apesar disso, a conferência procura um papel mobilizador para uma maior cooperação internacional na proteção aos trabalhores.