Redes de transportes da Finlândia paralisadas devido a greve nacional

Trabalhador em greve participa na manifestação Stop Now! contra as reformas do mercado de trabalho do governo, Helsínquia, 1 de fevereiro de 2024
Trabalhador em greve participa na manifestação Stop Now! contra as reformas do mercado de trabalho do governo, Helsínquia, 1 de fevereiro de 2024 Direitos de autor Associated Press
De  David Mac Dougall
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A greve foi convocada para protestar contra as reformas laborais propostas pelo governo, que, segundo os sindicatos, irão reduzir os rendimentos dos finlandeses mais pobres.

PUBLICIDADE

A Finlândia vive um terceiro dia de greve esta sexta-feira, com o sector dos transportes paralisado pelo protesto dos trabalhadores dos eléctricos, comboios, autocarros, ferries, portos, aeroportos e companhias aéreas.

Há também greves em empresas de limpeza, fábricas, minas e refinarias, empresas de construção e nos correios.

Os sindicatos convocaram uma vaga de acções colectivas para protestar contra as propostas do governo relativas às reformas da legislação laboral que, segundo eles, teriam um impacto negativo sobre os trabalhadores com baixos salários e alterariam o equilíbrio de poder a favor dos patrões no que se refere à fixação dos salários.

Na quinta-feira, cerca de 300.000 trabalhadores aderiram às greves, tendo 10.000 pessoas participado num comício na capital, Helsínquia, para denunciar as acções do governo, que, segundo os sindicatos, significam salários mais baixos e condições menos vantajosas para os trabalhadores.

A deputada social-democrata Pia Hiltunen diz que as medidas do executivo "não criam estabilidade nem confiança na vida quotidiana das pessoas".

"Preocupa-me a precariedade da vida laboral provocada pelo Governo, com consequências que afectarão sobretudo os jovens", declarou Pia Hiltunen, deputada da cidade de Oulu, no norte do país.

"A precariedade causada pelo governo é visível na vida quotidiana das pessoas, por exemplo, na ausência de pagamento do primeiro dia de baixa por doença, na redução do valor do subsídio de desemprego e no fim do apoio à educação de adultos. As pessoas estão legitimamente preocupadas com a sua subsistência e o funcionamento do dia-a-dia, que é importante defender nesta situação".

O Governo defende que as suas reformas profundas são necessárias para tornar a economia finlandesa mais competitiva.

O deputado Atte Kaleva, do Partido da Coligação Nacional, de direita, disse que o governo "não vai recuar" na adoção das reformas.

"A economia finlandesa não tem crescido desde 2008, ao contrário dos nossos pares, Suécia, Dinamarca, Alemanha, etc. Nesses países, as reformas estruturais necessárias na vida ativa já foram realizadas há 15-20 anos, mas no nosso não".

O Partido da Coligação Nacional esteve no governo durante grande parte desse período, de 2008 a 2015, e novamente a partir de 2023.

"Precisamos de equilibrar a economia. Isto não pode ser feito num só mandato, mas temos de mudar a direção agora. A prosperidade nórdica não pode continuar a ser sustentada pela dívida. Por uma questão de princípio, todas as pessoas em idade ativa e com capacidades devem trabalhar", afirmou Kaleva.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Finlandeses votam em novo presidente que irá orientar a política externa

Finlândia prolonga por mais um mês encerramento da fronteira com a Rússia

Entre a Finlândia e a Rússia: uma fronteira fechada