Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Angola é um dos atores da transição energética em África

Angola é um dos atores da transição energética em África
Tamanho do texto Aa Aa

O futuro e a evolução do setor da energia em África discutem-se esta semana. A capital portuguesa acolhe a 21ª edição do Fórum de Energia de África.

A transição das energias fósseis para as energias renováveis é uma prioridade, incluindo para países produtores de petróleo, como é o caso de Angola.

O país encontra-se numa fase de transição energética e a prioridade é a produção de energia hidroelétrica.

"O nosso objetivo é fazer com que a nossa matriz energética seja predominantemente hídrica. Os custos da energia hídrica são inferiores aos da energia térmica. Esse é o caminho. Se queremos, neste momento de crise, rentabilizar a nossa economia temos, com essas ações, de começar a diminuir a produção de energia com recursos fósseis. Temos um plano de ação para o ano 2018/2022, que contempla um milhão de ligações domiciliárias, cerca de 200 mil ligações por ano. Vamos continuar a cumprir esse projeto e acreditamos que, se os recursos financeiros o permitirem, a partir de 2022 já teremos, pelo menos, 50% da população com energia elétrica", disse o secretário de Estado da Energia de Angola, António Belsa da Costa.

Após ter conseguido funcionar mais de quatro dias consecutivos apenas com energias renováveis, em 2016, Portugal é hoje apontado como um exemplo a seguir.

O Governo português assegurou, esta terça-feira, ter grande disponibilidade para trabalhar com todos os países africanos no desenvolvimento económico e, em especial, do setor energético: "Portugal com os PALOP tem projetos antigos, bem estabelecidos. Estamos a avançar com o COMPACTO para o financiamento que estamos a fazer com os vários países da lusofonia e, portanto, esses projetos existem. Julgamos é que temos um papel a desempenhar, para além dos países de língua oficial portuguesa, com outros países da região. Aliás, Portugal pretende que, quando exercer a presidência da União Europeia, em 2021, o tema da agenda seja, precisamente, as relações entre Europa e África", disse Pedro Siza Vieira, ministro da Energia de Portugal.

Palco para estabelecer parcerias e negócios, o Fórum de Energia de África, em Lisboa, recebeu o lançamento da Ferramenta de Transparência, uma plataforma online que pretende apoiar os produtores independentes de energia, que são a chave para o desenvolvimento das energias renováveis em África.

"Uma coisa de que o mercado africano se debate é a falta de clareza ou de informação. Assim, ao termos algo como a Ferramenta de Transparência, a nossa esperança é que a clareza adicional torne o mercado, o setor mais atrativo para mais financiadores, mais empreendedores... E por ter essa informação disponível torna mais atraente desenvolver, também, as instituições financeiras. Portanto, o objetivo final é ter mais poder e incentivar mais atores no setor de energia. Então, começa daqui, mas o objetivo final é garantir que haja mais fornecedores", disse Samuel Obbie Banda, da Agência Africana de Seguro Comercial.

O Fórum de Energia de África decorre até sexta-feira no Centro de Congressos de Lisboa. A organização espera mais de 2500 participantes.