A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Protestos levam a adiamento de debate mas os manifestantes querem mais

Protestos levam a adiamento de debate mas os manifestantes querem mais
Direitos de autor
REUTERS/Thomas Peter
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O debate parlamentar sobre a polémica lei da extradição foi adiado mas nem por isso o ambiente acalmou nas ruas de Hong Kong. Os manifestantes garantem que irão continuar os protestos até o projeto de lei ser abandonado, o que levou as autoridades locais a usar gás pimenta e balas de borracha na tentativa de dispersar a multidão.

O Governo de Hong Kong tentou colocar água na fervura e fez um apelo aos manifestantes para deixarem de bloquear as ruas para que a circulação volte ao normal o mais rapidamente possível, para manterem a calma e não cometerem nenhum crime.

A polémica lei passa a permitir a extradição quase automática de pessoas para a China continental, incluindo os dissidentes políticos que se encontram em Hong Kong. Para os manifestantes, a lei viola os termos do acordo entre o Reino Unido e a China, onde Pequim se comprometeu a manter o sistema judicial deixado pelos britânicos até 2047.