Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A guerra dos preços do cacau: produtores contra multinacionais

A guerra dos preços do cacau: produtores contra multinacionais
Tamanho do texto Aa Aa

Os dois maiores produtores de cacau do mundo, a Costa do Marfim e o Gana, ameaçam parar as vendas, como forma de pressionarem as multinacionais a pagarem melhor aos produtores.

Os dois vizinhos assumem que se o preço por tonelada descer abaixo dos 2.600 dólares - 2. 300 euros - vão deixar de vender.

Para Yamoussoukro e Accra, o cacau é um assunto de Estado. A queda recente de 40% do preço do cacau afetou fortemente os orçamentos dos dois países que retiram mais de 10% do PIB da comercialização deste fruto.

O mercado do cacau são 4,5 milhões de toneladas por ano. 90% da produção provém de apenas sete países e 85% do produto é comprado pelas multinacionais.

Os produtores queixam-se de estar a passar ao lado das margens de lucro e acreditam que se suspenderem as vendas da colheita de 2020/21 conseguem negociar melhores preços com as multinacionais.

Na Costa do Marfim, a queda do preço levou a cortes orçamentais importantes. O governo está sob a pressão de uma vaga de protestos sociais, com vários setores nas ruas - dos funcionários públicos aos soldados - a pedirem melhores salários e melhores condições de vida.

Os protestos representam uma questão política séria no país, que emergiu em 2011 de uma crise política e de uma guerra civil, tendo-se tornado, desde então, a economia africana de crescimento mais rápido.