Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"No geral, as eleições foram justas"

"No geral, as eleições foram justas"
Direitos de autor
Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O Chefe de Estado do Cazaquistão admite erros na atuação da polícia durante as manifestações contra o resultado das presidenciais. Em entrevista à Euronews, Kassym-Jomart Tokaev garante que os erros vão ser corrigidos e as razões dos protestos analisadas. O delfim do antigo Presidente Nazarbaev não admite dúvidas sobre a isenção das eleições e garante que os que foram detidos por terem uma opinião contrária, serão libertados. "Naturalmente, vão ser libertados, porque é apenas uma opinião. Na minha opinião, no geral, as eleições foram justas," afirma.

O Presidente adianta que as reivindicações vão ser analisadas. "Estamos a avaliar o que querem e por agora parece que as queixas dizem respeito principalmente a questões sociais. Não desminto que existam problemas, principalmente porque a população está a empobrecer. As pessoas exigem soluções para os seus problemas sócio-económicos. As autoridades ouviram-nos e vamos trabalhar nisso", diz.

Desde domingo, dia das eleições, há notícia de pelo menos 15 manifestações contra a vitória de Kassym-Jomart Tokaev. Perto de mil pessoas foram detidas - números oficiais. Para Tokaev, a questão estará ultrapassada em breve, mas asume que houve erros da polícia. "Há pessoas que cometeram pequenos delitos, que não põem em causa a segurança, e que serão libertados em breve. Disseram-me que também há pessoas detidas por engano. Vamos pedir-lhes desculpa e devem sair em breve pelo que o problema ficará resolvido," garante em entrevista à Euronews.

Sobre manifestações futiuras, Tokaev repete o aviso do Procurador-Geral do Cazaquistão: "Tudo o que é contra a lei será impedido: manifestações de rua; reuniões não autorizadas ou desordem. São um transtorno para aqueles que não querem fazer parte destas acções".

Alma Ata, a maior cidade do Cazaquistão tem sido o principal palco de protesto.