A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Tribunal Europeu dos Direitos Humanos rejeita apelo do Sea Watch

Tribunal Europeu dos Direitos Humanos rejeita apelo do Sea Watch
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Organização Não-Governamental holandesa Sea Watch sofreu um revés esta terça-feira, quando o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, com sede em Estrasburgo, rejeitou o recurso a pedir medidas excecionais que obriguem o governo de Itália a deixar os 42 migrantes bloqueados há 13 dias no navio Sea Watch 3 desembarcar no país. O navio de resgate de migrantes do Mediterrâneo está ao largo da ilha de Lampedusa e as condições deterioram-se de dia para dia. Uma das pessoas a bordo lançou um apelo: "Não aguentamos mais. É como se estivéssemos numa prisão. Estamos privados de tudo. Não podemos fazer nada, não podemos sequer andar porque o navio é pequeno, somos muitos e não há espaço. Pedimos ajuda à humanidade".

O apelo de um dos migrantes a bordo do Sea Watch

Quem continua a fazer orelhas moucas a estes pedidos de ajuda é o ministro do interior italiano, Matteo Salvini, que se mantém inflexível na decisão de impedir o desembarque do navio. Num recente post publicado no Twitter, o ministro diz: "Não é uma ONG que vai ditar as regras à Itália. Portos fechados. Se se preocupassem de facto com a saúde destas pessoas, já teriam ido para a Holanda. Por mim, podem ficar até ao Natal ou ao ano novo".

A chegada ao poder da Liga, liderada por Salvini, levou a um endurecimento da política migratória e a uma política de portas fechadas. A repressão da ajuda à migração ameaça também o português Miguel Duarte, cooperante de uma ONG, que pode ser condenado a uma pesada pena de prisão caso regresse a Itália.