Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Comandante do Sea-Watch 3 em prisão domiciliária

Comandante do Sea-Watch 3 em prisão domiciliária
Direitos de autor
REUTERS/Guglielmo Mangiapane
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A alemã Carole Rackete, comandante do navio humanitário Sea-Watch 3, aguarda em prisão domiciliária para ser ouvida pela Justiça italiana, depois de ter sido detida na madrugada deste sábado por ter forçado a entrada no porto de Lampedusa para desembarcar quatro dezenas de migrantes resgatados ao largo da Líbia há 17 dias.

Leonardo Marino é o advogado de Rackete: "Ela está cansada e stressada, como podem ver pelos vossos próprios olhos."

A comandante do navio de bandeira holandesa que opera para a ONG alemã Sea-Watch é acusada de "resistir a um navio de guerra", por ter forçado a entrada no porto italiano face a uma embarcação da polícia, e arrisca uma pena de 10 anos de prisão b.

Matteo Salvini, ministro italiano do Interior: "São delinquentes! É um ato criminoso, um ato de guerra. Se a prisão for confirmada, como espero, haverá um julgamento e esta jovem passará tempo na cadeia. Caso contrário, há já uma ordem de deportação do Ministério do Interior para a pôr no primeiro avião com destino a Berlim".

Rackete alegou uma situação de emergência humanitária para desobedecer ao bloqueio imposto pelas autoridades italianas, depois do navio ter estado à deriva durante cerca de duas semanas, à espera de uma autorização para atracar. Os migrantes foram transferidos para um centro de acolhimento.