Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Teerão exige libertação imediata de Petroleiro

Teerão exige libertação imediata de Petroleiro
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Teerão exige que Londres liberte, de imediato, o petroleiro iraniano apresado, na quinta-feira, ao largo de Gibraltar.

As autoridades iranianas afirmam que o "Grace 1" com pavilhão do Panamá, se encontrava "em águas internacionais" e denunciaram, em comunicado, o que consideram ser um ato de "pirataria".

O chefe do Governo de Gibraltar, Fabian Picardo, informou que "os serviços portuários e de aplicação da lei de Gibraltar, assistidos por um destacamento dos Fuzileiros Reais, embarcaram num superpetroleiro que transportava petróleo bruto para a Síria. Apresaram o navio e a carga. Esta medida resultou de informações que deram ao Governo de Gibraltar motivos razoáveis para crer que o navio 'Grace 1' estava a violar as sanções da União Europeia contra a Síria."

O Governo de Espanha assegurou que tinha conhecimento da operação.

Segundo o ministro espanhol dos Negócios Estrangeiros, "os barcos de patrulha da guarda civil estavam a vigiar a área" no entanto, Josep Borrell afirmou que Madrid está "a estudar as circunstâncias em que isto aconteceu pois foi um pedido dos Estados Unidos ao Reino Unido". Espanha está a analisar de que modo é que isso afeta a soberania do país pois, como afirmou Borrell, "aconteceu em águas que, segundo entendemos, são águas espanholas".

Bruxelas está atenta à operação.

A porta-voz da Comissão Europeia sublinhou que são conhecidas as posições dos países europeus.

Maja Kocijancic assegurou que o grupo dos 28 tem "sido consistente e claro no compromisso com o acordo nuclear, que depende do total cumprimento por parte do Irão."

Kocijiancic recordou que a União Europeia reagiu, em conjunto com o chamado grupo E3, que engloba França, Alemanha e Reino Unido, "após o último anúncio do Irão, que é uma decisão que lamentamos".

As sanções da União Europeia contra a Síria entraram em vigor em 2011 e foram prorrogadas até junho de 2020. Incluem um embargo ao petróleo e o congelamento dos ativos do Banco Central da Síria na União.