A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Administração Trump aponta baterias às gigantes tecnológicas

Departamento de Justiça dos Estados Unidos vira-se para as gigantes tecnológicas
Departamento de Justiça dos Estados Unidos vira-se para as gigantes tecnológicas -
Direitos de autor
REUTERS/Lucas Jackson
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Departamento de Justiça (DoJ) dos Estados Unidos anunciou a abertura de uma abrangente investigação às maiores plataformas da internet, na véspera do anúncio da Comissão Federal de Comércio (FTC) revelar o acordo da Facebook para pagar uma multa de $5 mil milhões de dólares (€4,45 mil milhões).

A rede social liderada por Mark Zuckerberg terá imposto certas políticas que dissimularam práticas abusivas da privacidade dos utilizadores, nomeadamente na ferramenta de reconhecimento facial e na utilização para fins publicitários dos números de telefone solicitados para as ferramentas de autenticação de contas.

A Facebook já aceitou o pagamento da multa e terá ainda de estabelecer uma comissão independente, fora do controlo de Mark Zuckerberg, para gerir as questões de privacidade na rede social.

Representantes de todos os partidos políticos norte-americanos representados na FTC votaram a favor da multa, embora os Democratas considerassem o valor da multa aquém do desejado.

A FTC especifica pelo Twitter ser esta multa "200 vezes maior que qualquer multa relacionada com privacidade aplicada nos Estados Unidos".

"A multa de $5 mil milhões aplicada à Facebook é a maior alguma vez aplicada a uma companhia por violaçao da privacidade dos consumidores e é vinte vezes maior que a maior multa aplicada por questões de privacidade ou segurança cibernética em todo o mundo", lê-se no comunicado da FTC.

Monopólios no alvo

A investigação anunciada terça-feira pelo DoJ não faz referência às empresas visadas, mas não será difícil perceber que a Facebook, a Alphabet/ Google, a Amazona e a Apple poderão estar no alvo da Administração Trump.

O objetivo será perceber "se e como as plataformas líderes no mercado digital alcançaram as posições dominantes e se para isso recorreram a práticas que minimizaram a concorrência, sufocaram a inovação ou de alguma forma prejudicaram os consumidores."

As empresas suspeitas de estar no alvo da investigação declinaram comentar o anúncio do DoJ, que teve um impacto negativo imediato na cotação dos gigantes da internet.