A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

ONU alerta para aumento das violações dos direitos das crianças

ONU alerta para aumento das violações dos direitos das crianças
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As Nações Unidas (ONU) divulgaram o relatório anual sobre crianças e conflitos armados e alertaram a comunidade internacional para o aumento das violações dos direitos das crianças em 2018 a nível mundial.

O documento, que será debatido pelo Conselho de Segurança em 02 de agosto, apontou para a existência de mais de 24 mil casos de violações de direitos, entre os quais mais de 12 mil corresponderam mesmo a mortes ou mutilações.

No entanto, o documento já foi alvo de críticas pelas organizações de direitos humanos, que acusam a ONU de omitir vários países responsáveis por violações graves dos direitos das crianças da lista de infratores.

Entre as outras categorias observadas pelas Nações Unidas incluem-se também raptos, abusos sexuais, obstrução de acesso a ajuda humanitária e recrutamento de menores para combate.

Um dos principais focos de preocupação está agora na Somália. Com o conflito armado a agravar-se, cresceu também a ação de grupos terroristas, como o Al Shabab, no uso de crianças na guerra. Virginia Gamba, representante especial da ONU para Crianças e Conflitos Armados, vincou que "a única situação em que todos os números de violações estão muito altos é na Somália", deixando, por isso, um apelo à vigilância da comunidade internacional.

No entanto, o país africano não é um caso isolado. Também no Iémen a situação agravou-se no último ano, com mais de 1600 crianças mortas ou feridas devido à guerra que assola o país. Estes números foram conhecidos um dia depois de um ataque a um mercado no norte do país que fez 14 mortos, incluindo quatro crianças.

No topo da lista de países com mais crianças vítimas de conflitos armados ficaram o Afeganistão e a Síria. O relatório não contempla sanções para os países e forças responsáveis pelas violações de direitos, mas espera promover uma mudança de atitude e uma maior proteção das crianças.