Última hora
This content is not available in your region

Salvini retém migrantes do Gregoretti enquanto Europa não agir

Salvini retém migrantes do Gregoretti enquanto Europa não agir
Direitos de autor
Reuters/TPX
Tamanho do texto Aa Aa

Multiplicam-se os apelos de ajuda perante os relatos que chegam do navio Bruno Gregoretti e que denunciam uma degradação muito rápida das condições sanitárias entre os mais de cem migrantes que se encontram a bordo.

Enquanto nenhum país europeu avançar com uma solução para acolhê-los, Matteo Salvini, o ministro do Interior italiano, garante que ninguém vai sair desta embarcação, retida no porto de Augusta, na Sicília. Apenas uma mulher grávida e 16 menores tiveram autorização para desembarcar.

Nas redes sociais, Salvini escreveu que "com milhões de italianos a procurar trabalho, é o meu dever limitar a chegada de mais migrantes".

Marco Campomenosi, deputado do seu partido, a Liga, desenvolve esta posição: "A situação tornou-se algo esquizofrénica: por um lado, Salvini é atacado por governos europeus orientados pelos liberais ou pela esquerda; mas, por outro, ninguém faz nada para o ajudar, nem apoiar a Itália".

As histórias são conhecidas: ao longo do último ano, repetem-se as situações de migrantes à deriva, por vezes com desfechos trágicos, enquanto a Europa discute quem os vai receber.

Segundo Charlie Yaxley, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), "tem de haver rapidamente uma resolução para que as pessoas possam desembarcar, possam receber a assistência de que necessitam. Os países têm de unir-se e chegar a acordo sobre uma forma justa e equilibrada de distribuir essas pessoas".

Emmanuel Macron encabeçou recentemente um acordo de princípio entre 14 Estados-membros sobre um mecanismo de solidariedade e acolhimento. Para já, só a Alemanha se mostrou disponível para receber os migrantes do Gregoretti. Salvini diz que só desbloqueia a situação se mais países abrirem as portas.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.