A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Que futuro para os migrantes a bordo do navio "Alan Kurdi"?

Que futuro para os migrantes a bordo do navio "Alan Kurdi"?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Dezenas de migrantes resgatados ao largo da costa líbia pelo navio humanitário "Alan Kurdi" aguardam um porto seguro.

Para a organização não-governamental alemã Sea-Eye, que opera a embarcação, é o ponto de partida para mais um braço-de-ferro com o ministro italiano do Interior. Matteo Salvini assinou uma ordem a proibir a entrada do navio em águas italianas.

"Não precisamos necessariamente de ter uma luta pessoal com Matteo Salvini. Para nós é importante salvar as pessoas em segurança, porque têm o direito. Vamos dirigir-nos de qualquer forma a Lampedusa porque é o porto seguro mais próximo. Depois aguardaremos por instruções adicionais dos centros de coordenação de resgate marítimo", sublinhou Carlotta Weibl, porta-voz da Sea-Eye.

Adivinha-se de um novo foco de tensão depois do impasse vivido pelos migrantes a bordo do navio "Gregoretti." Salvini não autorizou qualquer saída da embarcação, retida no porto de Augusta, na Sicília, até que existisse um acordo ao nível da União Europeia (UE) para a distribuição das pessoas.

Giorgia Orlandi, Euronews - Mais uma organização não-governamental e mais uma interdição de entrada em águas territoriais italianas. Desta vez, foi assinada pelo ministro do Interior, Matteo Salvini, em conjunto com os ministros da Defesa e dos Transportes. Um caso que parece idêntico ao do navio Gregoretti, com uma longa espera para perceber que Estados-membros vão receber parte dos migrantes. Entretanto, a tripulação do Alan Kurdi diz que existe a intenção de aguardar por um acordo e de não forçar a interdição para entrar em águas italianas imposta pelo ministro do Interior.