A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Greve de motoristas: Governo português descarta Requisição Civil

Greve de motoristas: Governo português descarta Requisição Civil
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Num dia planeado com semanas de antecedência, tanto pelo governo como pelos sindicatos, chegam agora os primeiros dados sobre a greve dos motoristas de matérias perigosas agendada para esta segunda-feira, em Portugal.

Apenas 23 dos 5660 motoristas de matérias perigosas de todo o país estão em greve, segundo a ATRAM, Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias, a qual aponta para 0,4% de adesão à greve. Os sindicatos contestam os números e falam de uma adesão de 80%.

"Esta greve anunciada é uma vitória estrondosa para os representantes deste sindicato e uma derrota brutal para todos os trabalhadores sindicalizados neste sindicato”, assegurou o porta-voz da ANTRAM, André Matias de Almeida, em declarações à Lusa.

António Costa, primeiro-ministro português, em declarações à imprensa, falou em "civismo" e "serenidade", e afastou para já Requisição Civil.

Na rede social Twitter admitiu que "todas as entidades estão a funcionar normalmente".

Greve a partir da meia-noite de 12 de Agosto

Ainda nem o sol tinha nascido e já os primeiros camiões saíam para a estrada, para cumprirem os serviços mínimos decretados pelo governo de António Costa.

A greve foi preparada a pinças, tanto de um lado, como do outro. O governo decretou serviços mínimos de 50 a 100% para esta segunda-feira e a possibilidade de Requisição Civil, ou seja, proibição da greve, caso os serviços mínimos não fossem cumpridos, hipótese entretanto afastada.

Acusações nas primeiras horas de greve

O porta-voz dos motoristas denunciou alegados subornos aos condutores para falharem a greve. A ANTRAM negou todas as acusações e acusou o porta-voz de "mentir".

A Comissão Central de trabalhadores veio criticar a posição do governo de definir serviços mínimos porque "põe em causa" o direito constiticional da greve. Direito, o qual, segundo o governo de António Costa não está a ser violado.