A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Sindicato de Matérias Perigosas pronto a negociar

Sindicato de Matérias Perigosas pronto a negociar
Direitos de autor
REUTERS/Rafael Marchante/File Photo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas diz-se pronto para a suspender a greve no momento em que forem iniciadas negociações tendo como mediador o responsável da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho que foi já nomeado pelo governo.

A informação é avançada em comunicado pela organização que adianta ainda que a suspensão decorrerá até ao Plenário Nacional de Motoristas de Cargas Perigosas, marcado para domingo, momento em que serão os trabalhadores a decidir os próximos passos:

""O SNMMP - Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas" considera que face à nomeação, hoje, de um mediador da DGERT para dar início às negociações com a ANTRAM, entendeu que estão criadas as condições necessárias para todas as partes se sentarem à mesa. (...)

Posto isto, e porque queremos deixar claro ao país e às partes que sempre estivemos de boa-fé neste processo, anunciamos, desde já, a suspensão temporária da greve a partir da hora de início da reunião a ser convocada pelo Governo".

A decisão é tomada depois de outra organização sindical do setor, que tinha aderido à paralisação, o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias, ter decidido sentar-se à mesa das negociações com a associação que representa as transportadoras. A ANTRAM que sempre disse que só negociaria com os sindicatos se a greve terminasse.

Entre segunda e quinta-feira Guarda Nacional Republicana e Polícia de Segurança Pública asseguraram o transporte de combustível para as regiões da Grande Lisboa, Algarve e Baixo Alentejo, de acordo com o executivo de António Costa.

Iniciativa que decorre da decisão do governo de decretar requisição civil. O país está em situação de "crise energética", desde as 23:59 do dia 09 de agosto, com términos definido para a mesma hora do próximo dia 21.