This content is not available in your region

Proactiva Open Arms arrisca sanções

Access to the comments Comentários
De  Pedro Sacadura  com EFE
Proactiva Open Arms arrisca sanções
Direitos de autor  GUGLIELMO MANGIAPANE

A autorização do desembarque dos migrantes que se encontravam a bordo do navio "Open Arms", no porto italiano de Lampedusa, foi apenas mais um capítulo de uma novela que está para durar.

Terminado o impasse em mar, em terra a vice-presidente do Governo espanhol sublinhou que a embarcação, operada pela organização não-governamental (ONG) Proactiva, tem apenas "licença para transportar ajuda humanitária como alimentos."

"O Open Arms não tem autorização para resgatar pessoas. O capitão do barco sabe disso, o ministro do Fomento, que tutela a Marinha Mercante, recordou isso a certa altura", disse.

Carmen Calvo insistiu que a ONG deve respeitar a lei espanhola e que pode vir a ser sancionada, com uma multa de até 900 mil euros.

Uma resposta, durante uma entrevista à estação de rádio Cadena Ser, às declarações do fundador da Proactiva Open Arms. Óscar Camps disse que queria continuar a salvar vidas em perigo na rota migratória mais mortífera do mundo. E lamentou que a embarcação esteja retida, como se tivesse feito parte de um delito.

Em Espanha, a oposição exigiu explicações do Governo. Através do Twitter, a formação de extrema-direita Vox acusou a ONG de "colaborar com o tráfico humano" ainda que tenha atribuído ao fundador da ONG, Óscar Camps, a função de capitão da embarcação.

O navio da Marinha espanhola Audaz, que tinha partido rumo a Lampedusa antes da Procuradoria de Agrigento (Sicília) dar "luz verde" ao desembarque de migrantes continuará viagem. Trará para Espanha o número de pessoas que for determinado em caso de se ativar a repartição dos migrantes que alguns países europeus se ofereceram para acolher.