A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Suspensão polémica do Parlamento britânico

Suspensão polémica do Parlamento britânico
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Rainha Isabel II aprovou, formalmente o pedido do primeiro-ministro britânico para suspender o Parlamento de nove de setembro até ao dia 14 de outubro.

O pedido de Boris Jonhson está a provocar protestos e a ser visto pela oposição como sendo uma tática para impedir que a Câmara dos Comuns bloqueie a saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo.

O correspondente da euronews em Londres, Vincent McAviney, conta que "tem havido uma enorme reação ao anúncio de Boris Johnson de que vai suspender o parlamento usando um discurso da Rainha... Um mecanismo um pouco arcaico que muitos governos utilizam no início dos seus mandatos, mas ele está a usar isto taticamente e, por isso, temos ouvido muitos líderes de partidos de oposição a dizer que é antidemocrático, que estão indignados e que vão trabalhar ainda mais em conjunto para tentar derrubar o Governo de Boris Johnson com uma moção de censura, em algum momento, na próxima semana. Houve, também, centenas de manifestantes, aqui no Parlamento, a dizer que pensam que isto é um golpe de Estado."

A manobra de Boris Johnson parece ter aprofundado, ainda mais, a crise política no Reino Unido.

São vários os protestos que se fazem ouvir. Na internet, uma petição contra a suspensão do Parlamento reuniu, já, mais de meio milhão de assinaturas, ultrapassando as 100 mil, o número mínimo para que seja debatida na Câmara dos Comuns.