A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

CDU e SPD mantêm liderança na Alemanha

CDU e SPD mantêm liderança na Alemanha
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O partido alemão de extrema-direita, Alternative fur Deutschland, AfD, conquistou assentos nas eleições nos estados da Saxónia e Brandeburgo.

O avanço contudo não foi suficiente para destronar os partidos no poder, ou seja, a CDU na Saxónia e o SPD no Brandeburgo.

A imigração continua a custar votos aos partidos tradicionais; na Saxónia a CDU perdeu 7% dos votos em relação aos resultados de 2014. Mesmo assim, houve razões para celebrar.

"Conseguimos! É esta a mensagem que enviamos da Saxónia! Uma enorme maioria de pessoas que quer representar este estado de forma positiva. O lado amistoso da Saxónia ganhou! Obrigado a todos!", afirmou o ministro presidente da Saxónia, Michael Kretschmer.

Mas o partido de extrema-direita, AfD, quase triplicou o número de eleitores. Imigração e encerramento das minas de carvão, são as duas questões que levaram muitos a votar pelo programa da extrema-direita.

"Hoje é um dia histórico! O nosso jovem partido, o único que existe apenas há 6 anos, conseguiu abanar a fortaleza da CDU na Saxónia", reiterou Joerg Urban, o candidato principal da AfD para a Saxónia.

Situação idêntica para o SPD em Brandeburgo. O presidente Dietmar Woidke afirma que por enquanto evitou-se o pior.

O SPD perdeu 5% dos votos enquanto a AfD aumentou as preferências em 10%.

"A AfD veio para ficar. A política sem nós já não é possível", afirmou Andreas Kalbitz. o candidato principal da extrema-direita para o estado de Brandeburgo.

A AfD poderá estar a conquistar espaço eleitoral mas os críticos estão igualmente determinados.

Apesar dos ganhos registados, a extrema-direita terá dificuldades em entrar para o governo uma vez que todos os outros partidos rejeitaram a possibilidade de uma coligação.