A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

General Motors em greve nos EUA

General Motors em greve nos EUA
Direitos de autor
REUTERS/Rebecca Cook
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Aproximadamente 49.000 trabalhadores da General Motors nos EUA estão em greve, depois de as negociações sobre os contratos de trabalho chegaram a um impasse.

É a primeira greve nacional na GM em 12 anos.

Uma decisão que os líderes sindicais dizem não ter sido tomada de ânimo leve.

"Defendemos salários justos. Defendemos assistência médica de qualidade a preços acessíveis. Defendemos a nossa parte dos lucros. Defendemos a segurança no emprego para os nossos membros e suas famílias," afirmou o vice-presidente do sindicato UAW, Terry Dittes.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, incentivou os dois lados a chegarem a um acordo.

A GM diz que a oferta que fez ao sindicato UAW, durante as negociações, é mais do que generosa, inclui mais empregos e aumentos salariais.

O sindicato luta para impedir que a GM feche as fábricas no Ohio e Michigan e argumenta que, depois de anos de lucros recorde para a GM na América do Norte, os trabalhadores merecem salários mais altos.