A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

União Europeia quer rever regras de asilo

União Europeia quer rever regras de asilo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os ministros da Administração Interna da União Europeia querem uma distribuição mais equilibrada de quem quer entrar no espaço comunitário. Para atingir o objetivo vão reunir-se em Malta, a 23 de setembro, num esforço que todos os Estados-membros concordam ser urgente, mas que tem sido adiado pelos diferentes interesses e prioridades entre os 28.

A Convenção de Dublin dita que os refugiados que chegam à União Europeia devem requerer asilo no local onde entram e que é a esse país que devem ser devolvidos sempre que forem para outro Estado-membro. Mas as regras que têm acentuado as assimetrias entre o Sul e o Norte da Europa.

Já em julho, numa entrevista à Euronews, antigo comissário europeu com a pasta da Migração Dimitris Avramopoulos, sublinhava a importância do acordo, lamentando a incapacidade de a União Europeia ser mais solidária.

"Vou ser franco, fiquei muito desapontado com a atitude de alguns governos, que acham que é um assunto distante, um problema da Europa do Sul. Agora já não é esse o caso. O que estamos a tentar fazer é adotar uma estratégia para toda a Europa", disse.

Até ao momento, e enquanto milhares de refugiados continuam a chegar a território europeu, os países da União Europeia foram incapazes de ultrapassar as divisões.

França e Alemanha insistem no desembarque de migrantes nos portos que mais próximos e seguros, mas, na linha da frente, países como Itália e Malta recusam acolhê-los e defendem um sistema de realojamento automático em outros Estados-membros.

A resposta pode passar por um aumento dos poderes da Frontex. Até 2024, a Agência Europeia de Guarda de Fronteiras e Costeira poderá vir a integrar mais de oito mil funcionários.

A resposta pode passar por um aumento dos poderes da Frontex. A Agência Europeia de Guarda de Fronteiras e Costeira poderá vir a integrar mais de oito mil funcionários. Uma meta que Ursula von der Leyen afirmou querer atingir até 2024.