A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Turquia intensifica ofensiva na Síria

Turquia intensifica ofensiva na Síria
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Turquia intensificou os ataques aéreos e de artilharia no nordeste da Síria, esta sexta-feira. A intensificação da ofensiva contra os combatentes do YPG está a gerar os primeiros sinais de catástrofe humanitária e o descontentamento entre os republicanos, nos Estados Unidos, que condenam a ação de Donald Trump.

O presidente norte-americano tinha já ordenado a retirada das tropas nacionais da região síria e rompido a aliança com os rebeldes curdos. Agora, Trump ameaça com sanções "muito significativas", mas que, até ao momento, não foram ativadas.

Mas as ameaças parecem não estar a assustar o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan. "Não vamos voltar atrás em relação à ofensiva contra o YPG, que nem o regime sírio apoia. Não vamos parar, digam o que disserem. Estamos a ser ameaçados pela direita e pela esquerda".

O Pentágono afirma que os Estados Unidos não abandonaram os rebeldes curdos, mas no terreno, combatentes e civis sentem os efeitos da guerra na sequência da operação turca "Fonte de Paz".

O porta-voz do Programa Alimentar Mundial da Organização das Nações Unidas (ONU) Hervé Verhoosel, afirmou ter sido "verificado um deslocamento massivo da população desde a escalada da violência. Mais de 70 mil pessoas de Ras al-Ain e Tal Abyad foram deslocadas até agora".

A preocupação é partilhada com o responsável pelas operações no Médio Oriente do Comité Internacional da Cruz Vermelha, Christian Cardon de Lichtbuer. "O que está a acontecer e o que tem acontecido nas últimas 48 horas é extremamente preocupante e acredito que infelizmente temos todos os ingredientes para mais uma crise humanitária na Síria".

Recep Tayyip Erdogan alega que a operação tem como objetivo pôr fim ao terror sentido longo da fronteira entre a Turquia e Síria e eliminar as milícias do YPG e os militantes do Daesh.

No entanto, os combatentes curdos alertam para os avanços do autoproclamado Estado Islâmico na região agoram que têm de centrar os esforços no combate contra as tropas turcas.