Última hora
This content is not available in your region

Hariri recebe proposta de reformas em novo dia de protestos

Hariri recebe proposta de reformas em novo dia de protestos
Direitos de autor
علي حشيشو/رويترز
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro do Líbano, Saad al-Hariri, aceitou um pacote de reformas da coligação para tentar reerguer a economia e aliviar a contestação.

Um mar de gente voltou a inundar as ruas de Beirute e manteve a pressão popular sobre o governo liderado pelo primeiro-ministro, Saad Hariri.

Numa pouco comum contestação que reúne há quatro dias e reúne os vários setores da sociedade libanesa, os manifestantes exigem melhores condições de vida e a queda do que dizem ser um governo liderado pelas elites.

'Queremos os nossos direitos, queremos viver em dignidade, não há água. Tirámos os nossos filhos dos colégios e colocámo-los nas escolas públicas, Alguns hospitais têm que estar disponíveis, não pode haver quotas", diz uma mulher.

Um idoso diz exigir "o retorno, para o Estado, do dinheiro gasto em excesso. Estes ministros e legisladores deviam estar na prisão. São ladrões, andam a pedinchar muitos aos países em nome do povo libanês e depois põem o dinheiro nos bolsos".

Na sexta-feira, o primeiro-ministro Saad Hariri tinha dado um prazo de 72 horas para que os parceiros de coligação avançassem com propostas de reformas com o objetivo de reerguer a economia e atrair investimento.

Mas os quatro ministros cristãos maronitas que compõem o governo anunciaram a demissão aumentando ainda mais a pressão no país do cedro que ferve em instabilidade.

Se o sunita Hariri abandonar a chefia do governo, será difícil para as diferentes fações libanesas encontrarem um novo executivo, face ao tradicional complicado xadrez político.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.