Última hora

Barbara Ruffoni e a história de amor com as flores comestíveis

Barbara Ruffoni e a história de amor com as flores comestíveis
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O nicho das flores comestíveis encontra cada vez mais adeptos e Barbara Ruffoni é um deles. Teve a ideia de se expandir para este segmento começando por França e Itália, países onde as flores fizeram sempre parte a cozinha tradicional.

"Há pelo menos 80 flores comestíveis que são reconhecidas como tal. O projeto concentrou-se em 40 flores, que são colhidas entre flores selvagens e que são tradicionalmente usadas na cozinha. Novas flores, novas ideias, novos conceitos. São cerca de 40 flores nas quais nos apoiámos para fazer pesquisa sobre características organopléticas, nutricionais, sobre a toxicidade e microbiologia. Tudo o que pode ser útil na criação de um bom produto", sublinhou, em entrevista à Euronews, a gestora do projeto ANTEA em Itália.

Barbara Ruffoni acrescentou: "Comer uma salada com flores comestíveis é melhor do que comer uma salada sem elas porque a flor, as pétalas, contêm antocianinas, antioxidantes e polifenóis que ajudam a manter o corpo jovem. (...) Para mim, as flores foram sempre um amigo, uma companhia. A minha avó era uma grande apreciadora das flores e passou-me esta paixão. Comecei a trabalhar no setor há 30 anos, com plantas ornamentais. A evolução intrigou-me e estou satisfeita por dar às flores uma nova oportunidade."

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.